Bill Gates exibe pote de cocô ao apresentar vaso sanitário que funciona sem água


Bill Gates apresentou vaso sanitário tecnológico que não usa água ou esgoto para funcionar
Reprodução/TV Bandeirantes

Bill Gates apresentou vaso sanitário tecnológico que não usa água ou esgoto para funcionar

O fundador da Microsoft, o milionário Bill Gates, apresentou nesta terça-feira (6), um vaso sanitário que transforma os resíduos humanos em adubos, sem usar água ou precisar de conexão a qualquer sistema de depuração para funcionar.

Leia também: Os 8 bilionários que têm juntos mais dinheiro que a metade mais pobre do mundo

Para apresentar a exposição Vaso Sanitário Reinventado, em evento realizado em Pequim, que contou com apresentação de novas tecnologias, na busca pela inibição da propagação de doenças, Bill Gates carregou um pote com fezes humanas.

O filantropo milionário disse em seu discurso que, naquele pote, poderia haver “nada menos que 200 trilhões de rotavírus, 20 bilhões de bactéria Shigella e 100 mil ovos de vermes parasitas”, e brincou sobre seu interesse no assunto. “Eu preciso admitir: uma década atrás, eu não poderia imaginar que um dia saberia tanta coisa sobre cocô. Eu definitivamente nunca pensei que a Melinda precisaria me pedir para parar de falar sobre vasos sanitários e dejetos fecais na mesa de jantar.”

A Fundação Bill & Melinda Gates , do milionário e de sua esposa, já gastou mais de US$ 200 milhões em pesquisas nessa área nos últimos sete anos, mostrando a importância crescente do tema e o surgimento de uma nova oportunidade de mercado.

Na China, a “revolução do banheiro” é vista como uma prioridade política e, para isso, a presença de Gates ajuda a divulgar o evento, que teve duração de três dias e exibiu 20 produtos sanitários de ponta, que são destinados a revolucionar as tecnologias sanitárias, separando os líquidos de sólidos e eliminando subprodutos nocivos à saúde. O fundador da Microsoft acredita que são “os avanços sanitários mais significativos em 200 anos.”

Leia também: Acesso à água e oportunidades: desafios que ainda temos que superar

Em sua conta oficial no Twitter, Gates falou sobre a importância do tema e explicou que alguns modelos de vasos sanitários tecnológicos já estão sendo testados na cidade de Durban, África do Sul, onde também estão sendo adotados modelos alimentados por outras fontes, como a energia solar.

O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, destacou que o saneamento é uma das prioridades para a organização, que se juntará a Fundação Bill e Melinda Gates para tentar implementar a medida pelo mundo.

“Os sistemas que podem se estender com rapidez e proporcionar um saneamento seguro e sustentável às comunidades são fundamentais para a qualidade de vida e o desenvolvimento do capital humano”, afirmou.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 2,3 bilhões de pessoas ao redor do mundo ainda não têm acesso a instalações sanitárias básicas, o que pode provocar doenças que matam centenas de milhares de pessoas a cada ano, como cólera, diarreia e disenteria. A Organização das Nações Unidas informa que quase 900 milhões de pessoas se veem obrigadas a defecar ao ar livre por não ter acesso a um banheiro.

Leia também: Mais de 60% das cidades do País não possuem políticas de saneamento básico

A fundação de Bill Gates espera que os novos vasos sanitários sejam implementados primeiro em escolas e edifícios residenciais, até que os custos caiam e se tornem acessíveis para residências individuais.

Comentários Facebook