Bolsonaro afirma que não escolhe sua equipe por cor, sexo ou orientação sexual


Jair Bolsonaro foi criticado após divulgar lista com 27 escolhidos para a equipe de transição – pois não havia uma só mulher
José Cruz/Agência Brasil

Jair Bolsonaro foi criticado após divulgar lista com 27 escolhidos para a equipe de transição – pois não havia uma só mulher

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), deu uma resposta, nas suas redes sociais, àqueles que o pressionam sobre a ausência de mulheres, negros e pessoas LGBTs em sua equipe ministerial e de transição de governo. Em sua defesa, Bolsonaro afirmou que não está preocupado com a cor, o sexo ou a orientação sexual daqueles que escolhe, negando qualquer discriminação. 

“Não estou preocupado com a cor, sexo ou sexualidade de quem está na minha equipe, mas com a missão de fazer o Brasil crescer, combater o crime organizado e a corrupção, dentre outras urgências”, escreveu Jair Bolsonaro .

A declaração do presidente eleito foi fixada no topo da sua página no Twitter e ganhou o apoio de seguidores. A fala vem depois do presidente eleito ser criticado ao divulgar uma lista com 27 nomes anunciados oficialmente para a equipe, não constando nenhuma mulher. 

No entanto, de acordo com assessores próximos de Bolsonaro, nos próximos dias, pelo menos quatro mulheres devem ser nomeadas para integrar a equipe de transição . Entre elas, há três militares e uma civil. 

São elas Clarissa Costalonga e Gandour, doutora em Economia pela PUC-Rio; a ex-tenente do Exército Liane de Moura Fernandes Costa; a tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do DF Márcia Amarílio da Cunha Silva; e a tenente do Exército Silvia Nobre Waiãpi – a primeira militar indígena a integrar as Forças Armadas.

Além disso, questionado na última terça-feira (6) sobre a presença de mulheres na equipe ministerial , Bolsonaro afirmou que deverá escolher uma mulher como ministra. “Tem 10 ou 12 vagas em aberto. Pode ter, com toda certeza vai ter”, declarou.

Ainda hoje, Jair Bolsonaro também reclamou sobre as críticas a respeito da falta de pessoas LGBT em sua equipe. “Algum jornalista acha mesmo que vou sair perguntando o que cada um faz na sua intimidade para indicar a cargos no governo? Isso é uma grande piada”, acrescentou.

Comentários Facebook