Contratos de TV por assinatura e telefone móvel caem e de banda larga fixa sobem

Brasil Econômico


Anatel divulgou ao longo da semana número de contratos ativos no Brasil de banda larga, telefonia móvel e TV por assinatura
Divulgação/Anatel

Anatel divulgou ao longo da semana número de contratos ativos no Brasil de banda larga, telefonia móvel e TV por assinatura

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou ao longo desta semana dados sobre o número de contratos do setor de telecomunicações do País. Segundo o balanço, embora os contratos de banda larga fixa tenham apresentado aumento, TV por assinatura e telefone móvel seguem em queda no acumulado dos últimos 12 meses.

Leia também: Brasil perde linhas de telefone fixo, celular e contratos de TV por assinatura

Telefone móvel


Pesquisa do setor de telecomunicações revela um crescente interesse do usuário para os planos pós-pagos
shutterstock

Pesquisa do setor de telecomunicações revela um crescente interesse do usuário para os planos pós-pagos

De acordo com o balanço do setor de telecomunicações do País, o Brasil perdeu 6,67 milhões de linhas em um ano. Em maio de 2018, tinham 235,45 milhões de linhas móveis em operação. O número significa uma retração de 2,75% em relação ao mesmo período do ano passado. Enquanto que, frente a abril deste ano, a queda foi de 0,11%.

Apesar de o número total ter apresentado queda, em maio de 2018, a soma de linhas pós-pagas apresentou crescimento de 13,55% em 12 meses. Na comparação entre os meses de abril e maio deste ano, o crescimento foi de 0,98%. Com isso, as linhas pós-pagas chegaram a 92,43 milhões.

Já em relação às linhas móveis pré-pagas, foi registrado o total de 114,16 no País, o que significa uma retração de 11,01% em 12 meses, ou seja, menos 17,7 milhões de linhas. No comparativo com o mês anterior, a variação negativa foi de 0,80%. Os valores demonstram um crescente interesse do usuário para os planos pós-pagos.

Assim como o balanço divulgado em junho, São Paulo continua sendo o estado com o maior número de linhas móveis do País, com 26,56% o total. Em valores, isso significa que há 65,55 milhões de chips ativos na região.

Em seguida, no ranking, vem os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, com respectivos saldos de 22,38 milhões e 20,46 milhões de linhas ativas.

Embora seja o Sudeste a região com mais telefones móveis ativos no último ano, as maiores altas registradas na categoria foram na Região Norte do Brasil. Roraima liderou a lista de crescimento de linhas móveis com a ampliação de 4,54%, o que significa mais 22 mil linhas ativas em um ano.

Amazonas e Amapá seguem no ranking, com variações positivas respectivas de 3,65% e 1,35%. Além dessas regiões, apenas Espírito Santo e São Paulo estão na lista, uma vez que todos os outros estados tiveram redução no número de linhas móveis.

Sobre as operadoras, até maio de 2018, os serviços da Vivo eram os mais utilizados no Brasil. A empresa detinha 31,90% das linhas móveis do território nacional, com o total de 75,10 milhões do mercado de linhas. Confira a lista completa abaixo:

  • Vivo detinha 31,90%, com o total de 75,10 milhões;
  • Claro detinha 25,08%, com o total de 59,06 milhões;
  • Tim detinha 25,25%, com o total de 57,11 milhões;
  • Oi detinha 16,51%, com o total de 38,86 milhões;
  • Nextel detinha 1,28%, com o total de 3,02 milhões;
  • Algar Telecom detinha 0,56%, com o total de 1,31 milhão;
  • Porto Seguro detinha 0,27%, com o total de 635 mil;
  • Datora detinha 0,10%, com o total de 214 mil;
  • Sercomtel detinha 0,03%, com o total de 66 mil;
  • Outras detinham 0,02%, com o total de 50 mil.

Leia também: Pesquisa revela que Claro é operadora com melhor desempenho de internet 3G e 4G

TV por assinatura 


Pessoas têm optado cada vez mais por provedores de filmes e séries via streaming
shutterstock

Pessoas têm optado cada vez mais por provedores de filmes e séries via streaming

Em relação à TV por assinatura, houve uma redução de 787.513 contratos do serviço frente a maio de 2017.  Com isso, no Brasil ainda havia um total de 17,8 milhões de contratos de TV a cabo, segundo o último levantamento.

Vale destacar que no comparativo entre os meses de abril e maio de 2018, a retração foi de 52,3 mil contratos. Conforme a Anatel explica, o serviço de TV por assinatura vem apresentando queda por conta da mudança de perfil dos usuários, que estão cada vez mais optando por provedores de filmes e séries via streaming, que oferecem um custo menor para o bolso.

Assim como no quesito “telefonia móvel”, São Paulo também tem o maior número de contratos de TV por assinatura em operação no País. O estado tem 37,61% do total dos contratos, com 6,7 milhões. O Rio de Janeiro aparece logo em seguida na lista, com o total de 13,56%, enquanto que Minas Gerais têm 8,74% das assinaturas. Vale registrar que, em números absolutos, as regiões têm respectivamente 2,4 milhões e 1,5 milhões de contratos.

Embora seja o Sudeste a região com mais contratos de TV por assinatura no último ano, as maiores altas registradas na categoria foram na Região Nordeste do Brasil. Piauí liderou a lista com o maior percentual de crescimento, o estado registrou aumento de 5,09%, o que significa mais 4,3 mil novos contratos em um ano.

Maranhão e Tocantins seguem no ranking com crescimentos respectivos de 3,02% e 1,43%. Na quarta posição aparece o Pará com mais 1,21% em relação ao ano anterior. Segundo o balanço da Anatel, todos os outros estados apresentaram redução no saldo de contratos de TV por assinatura.

Sobre as empresas, até maio de 2018, a Claro (NET) deteve a maior fatia do mercado do Brasil, uma vez que respondia sozinha por metade dos registros de TV por assinatura, com 8,9 milhões de clientes. Confira a lista completa dos grupos abaixo:

  • Claro (NET) detinha 50%, com o total de 8,9 milhões;
  • SKY detinha 29%, com o total de 5,2 milhões;
  • Oi detinha 8%, com o total de 1,5 milhão;
  • Telefônica detinha 8%, com o total de 1,5 milhão.

Leia também: Preço da internet no Brasil subiu em 2017 após seis anos de queda, diz Anatel

Banda larga fixa contraria demais resultados do setor de telecomunicações


Maranhão foi o estado que apresentou o maior crescimento percentual de banda larga fixa
Reprodução

Maranhão foi o estado que apresentou o maior crescimento percentual de banda larga fixa

Contrariando os setores de telefonia móvel e TV por assinatura, a  banda larga fixa apresentou um aumento de 2,5 milhões na quantidade de contratos ativos, frente ao mesmo período do ano passado. De acordo com o balanço da Anatel, o Brasil apresentou o total de 30 milhões de contratos.

A Anatel também constatou que a tecnologia Linha Digital de Assinante (xDSL) foi a mais utilizada pelos brasileiros até maio de 2018, com mais de 12,9 milhões de contratos. A xDSL é uma família de tecnologias utilizada para transmitir dados digitais por meio de linhas telefônicas.

Já o Modem a Cabo que utiliza as redes de transmissão de TV a Cabo para transmitir dados, fazendo uso da porção de banda não utilizada pela TV conta com 9,2 milhões de contratos.

A fibra ótica aparece em terceiro lugar no ranking, com 3,8 milhões de contratos do serviço. A tecnologia é composta por fios de vidro ou plástico de pequeno diâmetro, feitos de material que não sofre interferências eletromagnéticas.

Nesse aspecto, São Paulo foi novamente o estado com o maior número de contratos de banda larga fixa no País, uma vez que soma 10,2 milhões de contas ativas. Rio de Janeiro e Minas Gerais ocupam o segundo e o terceiro lugar, com respectivos 3,2 milhões e 3 milhões de registros.

No último ano, o Maranhão foi o estado que apresentou o maior crescimento percentual, com uma alta de 25% ou 57 mil contratos de banda larga em um ano.

Vale destacar que Roraima foi o único estado que obteve redução percentual no balanço anual, com queda de 355 contratos, o que representa uma variação negativa de 0,95%.

Sobre as empresas, até maio de 2018, a Claro deteve a maior fatia do mercado do Brasil, uma vez que respondia por mais de 30% dos pacotes de banda larga fixa do País, com 9,1 milhões de clientes. Confira a lista completa dos grupos abaixo:

  • Claro detinha 30%, com o total de 9,1 milhões;
  • Vivo detinha 25%, com o total de 7,6 milhões;
  • Oi detinha 20%, com o total de 6,1 milhão;

Leia também: Novo plano da Netflix deve ser mais caro e pouco ou nada diferente dos atuais

A pesquisa de dados sobre o número de contratos do setor de telecomunicações do País é divulgado mensalmente pela Anatel.

Comentários Facebook