Educação firma novas parcerias na implantação do projeto ‘Educar sem Violência’

Uma nova parceria firmada entre a Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande, Promotoria de Justiça, Conselho Municipal de Educação, Saúde e o Centro Universitário de Várzea Grande – Univag, lança o projeto 'Educar Sem Violência', o evento ocorreu na última quarta-feira (22), na Univag.

O objetivo do projeto é que seja feita a intervenção e o enfrentamento contra a evasão escolar, a violência e o abuso sexual cometido contra as crianças. O público alvo do projeto no primeiro momento são os professores, diretores, coordenadores pedagógicos das escolas municipais de Várzea Grande, posteriormente o projeto vai estender os atendimentos as famílias, funcionários e a comunidade que vive ao redor das escolas atendidas. Ao todo 61 escolas da Rede Municipal de Educação serão contempladas pelo projeto.

Para Terezina Paes de Arruda, coordenadora do curso de Assistência Social a criança não é vista como uma pessoa de sujeito de direito, ela é vista como um adulto em miniatura. Por isso afirmo que a maior violência que uma criança pode sofrer é o abuso sexual e principalmente quando esse abuso vem de dentro da sua própria casa, e porque não dizer que muitas vezes do seu próprio pai.

Destaca ainda Arruda, que a experiência do Projeto 'Educar sem violência' mostra que, se não der atenção as questões que envolvem o dia a dia de uma unidade escolar, o número de casos envolvendo violência física, mental, psicológica, sexual tem de aumentar. Visto isso o assunto violência sexual no âmbito escolar tem que ser analisado com cuidado.

“Para esta discussão temos que ressaltar que o projeto foi idealizado por uma aluna do curso de assistência social que percebeu que o número de crianças que estavam se evadindo das escolas só aumentava. Após esses alunos voltarem ao ambiente escolar, percebia-se uma mudança no seu comportamento. Ao analisar aquele aluno mais afundo percebeu-se que ele havia sido vítima de violência no ambiente familiar. Partindo deste estudo que surgiu o projeto. É bom salientar que conforme dispõe a Lei 12.015/2009, em seu artigo 218 a pena para quem pratica tal ato é de reclusão de 2 a 4 anos”, explicou Terezinha de Arruda.

Para o Promotor de Justiça de Várzea Grande, Douglas Lingiard Strachini, qualquer projeto só funciona se tiver parceria e cooperação de todos os envolvidos. “Nós temos que exercer a cidadania nesse projeto pioneiro no município e além disso temos que prestar atenção em cada unidade de ensino e a maneira como está sendo feita essa ajuda no ambiente escolar. Destacamos que esse projeto remete a uma tentativa de transformar a realidade, através da informação por meio de palestras e oficinas de capacitação dos profissionais da educação e os gestores das redes envolvidas”, ressaltou Strachini.

Na solenidade estiveram presente o Promotor de Justiça de Várzea Grande, Dr. Douglas Lingiard Strachini; Loise Valéria Costa, Coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social – Cras; Professora Eva de Paula, Presidente do Conselho Municipal de Educação; Professor Jorge Etor, diretor da área de saúde do Univag e pôr fim a professora Terezina Paes de Arruda, coordenadora do curso de assistência social da Univag.

Por: Luana Silveira – Secom/VG

Fonte: Prefeitura de Várzea Grande
Comentários Facebook