Goleiro Ivan, da Chapecoense, é acusado de roubar celular e ferir ex com faca

O goleiro Gilsivan Soares da Silva, conhecido como Ivan, da Chapecoense, é investigado pela polícia de Espinosa, cidade no interior de Minas Gerais, por suspeita de roubar o celular e ferir a ex-namorada com uma faca, após ele tentar, sem sucesso, reatar o relacionamento.

Leia também: Assassino confesso de Daniel recebeu oferta de R$ 70 mil para fugir da prisão


O goleiro Ivan, da Chapecoense, é acusado de ferir ex com faca e roubar celular
Márcio Cunha/Chapecoense

O goleiro Ivan, da Chapecoense, é acusado de ferir ex com faca e roubar celular

Com família na região, o goleiro de 35 anos pediu liberação do clube para resolver problemas pessoais e foi até o norte de Minas. Na cidade, ele tentou a reconciliação com Laíse Gabriela Alves Fernandes, mas a mulher não quis. O jogador, então, a ameaçou pegou seu celular, além de exigir a senha, pois ele estava desconfiado que a mulher estava em outro relacionamento.

Laíse negou passar a senha para Ivan, que foi até a cozinha, pegou uma faca e agarrou a vítima pelo pescoço, exigindo os dados. Com medo de ser ferida, a mulher cedeu. O agressor teria deixado o objeto cair neste momento e o pé da mulher foi atingido. Há indícios também que ele teria ameaçado e roubado o celular de outro homem, que seria o suposto novo namorado de Laíse.

Levada para o hospital, Laíse sofreu uma fratura na falange proximal do pé esquerdo, de acordo com a PM. Logo após o ato, Ivan deixou o salão de beleza onde eles estavam e não foi visto na cidade. Há relatos ainda que a mobília do local foi quebrada quando os dois entraram em luta corporal.

Leia também: Após tragédia no Fla, Grêmio Novorizontino promove treinamento contra incêndio

O caso será investigado pela Polícia Civil, que instaurou um inquérito e pediu exame de corpo de delito na vítima. As autoridades, no entanto, aguardam o atleta de 35 anos para prestar esclarecimentos.

Na apresentação do zagueiro Gum, nesta quinta-feira, o presidente da Chapecoense , Plínio David de Nês Filho, falou sobre o caso.

“Infelizmente temos que responder a pergunta em um momento que estamos recebendo um atleta que é símbolo do futebol brasileiro e nos deparamos com uma situação que não esperávamos. Entretanto, a diretoria não vai se manifestar até os fatos serem esclarecidos, verem a veracidade dos fatos que constam na reportagem para depois nos manifestarmos”, afirmou.

Leia também: Venda de Militão para o Real Madrid renderá um bom dinheiro para o São Paulo

O goleiro é esperado nesta quinta em Chapecó para se reunir com a diretoria do clube catarinense e tratar do assunto.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook