Planos de saúde individuais e familiares podem ter reajuste com base no IPCA


Nova proposta que o reajuste dos planos de saúde que basear o cálculo no IPCA além da VDA
Arquivo/Agência Brasil

Nova proposta que o reajuste dos planos de saúde que basear o cálculo no IPCA além da VDA

A proposta para nova metodologia sobre o reajuste dos planos de saúde individuais e familiares, que acontece anualmente, sugere que o cálculo tenha como base a variação das despesas assistenciais (VDA) e a inflação oficial, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Leia também: Planos de saúde defendem atendimento com médico de família para melhora do setor

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) apreciou esta semana a sugestão. A decisão final sobre o reajuste dos planos de saúde será divulgada após audiência pública, marcada para novembro.

No novo modelo, o reajuste deixaria de se basear exclusivamente na VDA, mas continuaria sendo composto de uma fórmula única, que reúne as duas variações (VDA e IPCA), com peso de 80% para as despesas assistenciais e 20% para as não assistenciais.

A VDA reflete diretamente os gastos com atendimento a beneficiários de planos de saúde, enquanto o IPCA incide nas despesas não assistenciais das operadoras – as administrativas, por exemplo.

“A intenção da agência é usar uma metodologia no reajuste que reflita mais diretamente a variação das despesas das operadoras nos planos individuais. Além disso, uma vez que os dados utilizados para o novo cálculo são públicos e auditados, o modelo se torna mais transparente e previsível para beneficiários e operadoras”, informou a ANS.

Outras alterações na metodologia de reajuste dos planos de saúde


A proposta sobre o novo reajuste dos planos de saúde será discutida no dia 13 de novembro
shutterstock

A proposta sobre o novo reajuste dos planos de saúde será discutida no dia 13 de novembro

Há ainda, segundo a agência, outros benefícios, como a redução do tempo entre o período de cálculo e o período de aplicação do reajuste e a transferência de parte dos ganhos de eficiência das operadoras para os beneficiários por meio de reduções no índice.

A proposta será levada para discussão em audiência pública marcada para 13 de novembro. Entre os dias 8 a 18, será disponibilizado, no portal da ANS, um formulário para receber contribuições daqueles que não puderem comparecer à audiência.

Alterações na metodologia de reajuste foram tema de audiência pública na ANS em julho. Após dois dias de discussão, operadoras e agência reguladora não chegaram a um consenso.

Leia também: ANS suspende venda de 26 planos de saúde de 11 operadoras; veja lista

Beneficiários dos planos de saúde não estão satisfeitos


Reajuste dos planos de saúde deve levar em consideração as queixas dos beneficiários
shutterstock

Reajuste dos planos de saúde deve levar em consideração as queixas dos beneficiários

A maioria dos usuários dos planos de saúde  não estão satisfeitos com os serviços oferecidos pelas operadoras. Um levantamento divulgado em julho deste ano mostrou que 96% dos beneficiários relataram algum tipo de problema na utilização do serviço nos últimos dois anos. O percentual é maior do que o verificado na última pesquisa, em 2012, quando 77% dos entrevistados apresentaram queixas.

O estudo foi feito pela Associação Paulista de Medicina (APM) e mostrou que as consultas médicas e os exames foram os serviços mais usados pelos usuários dos planos de saúde e os que mais registraram problemas.

Nas consultas médicas , as dificuldades passaram de 64% para 76%. No caso dos exames passaram de 40% para 72%. Foram entrevistadas 836 pessoas, entre 25 de abril e 2 de maio deste ano.

Segundo os dados, entre os pacientes que tiveram dificuldade nas consultas, o principal problema apontado é a demora na marcação (60%), seguido da saída do médico do plano (37%) e da falta de médico para as especialidades (23%).

Com relação aos exames, 42% disseram que tiveram que realizar em lugares diferentes, 39% reclamaram da demora para a marcação, 38% apontaram para o fato de haver poucas opções de laboratórios e clínicas, 31% disseram que houve demora para a autorização de algum procedimento e 22% disseram que o plano não cobriu algum exame ou procedimento.

“Foi um crescimento muito grande quando se trata de uma área tão crítica quanto o sistema de saúde principalmente considerando que são pessoas que pagam pelo atendimento. É um número inaceitável”, avaliou o diretor da associação, Florisval Meinão.

“Com relação às dificuldades, os números querem dizer que as empresas trabalham com uma lógica comercial. Elas buscam trabalhar com redes muito restritas para atendimento e essa rede é insuficiente para garantir o atendimento. Daí essa demora na marcação de consultas e exames”, completou.

Com relação ao pronto atendimento, os usuários relatam que o local de espera estava lotado (76%), que o atendimento demorou muito (59%), que houve demora ou negativa para realização de exames ou procedimentos (34%) ou demora e negativa na transferência para internação hospitalar (12%).

Sobre as internações, 37% afirmaram ter poucas opções de hospitais, 26% tiveram dificuldade ou demora para o plano autorizar a internação e 16% se depararam com falta de vaga para internação. Com relação às cirurgias, 18% enfrentaram demora para a autorização, 9% não tiveram cobertura para materiais especiais e 8% não tiveram autorização dos planos de saúde.

“A situação que me parece mais grave é a do pronto atendimento. As pessoas não têm uma rede suficiente e têm sua situação agravada. Eles procuram as unidades de atendimento de urgência. A demora e a espera são muito grandes, as dificuldades para a realização de exame nesses locais também é grande, o paciente precisa internar e não consegue internação. Fica uma situação muito difícil para quem vive um problema agudo”, disse Meinão.

Leia também: ANS revoga normas de cobrança de coparticipação dos planos de saúde

Como consequência do atendimento deficitário dos  planos de saúde , a quantidade de usuários que foi obrigada a procurar o Sistema Único de Saúde (SUS) passou de 15% há seis anos para 19% em 2018. Já aqueles que viram como única opção o atendimento particular passaram de 9% para 19%.

Comentários Facebook