Programa Rota 2030 quer impulsionar produção de carros elétricos e híbridos


Chevrolet Bolt EV deve chegar ao Brasil com os incentivos para carros elétricos e híbridos do Rota 2030
Divulgação

Chevrolet Bolt EV deve chegar ao Brasil com os incentivos para carros elétricos e híbridos do Rota 2030

O setor automobilístico ganhou um novo incentivo do Governo com o programa Rota 2030. Basicamente, as montadoras terão que investir em pesquisas que levem a melhorias de segurança e avanços consideráveis na tecnologia dos carros. Em troca, terão benefícios fiscais que podem atingir no máximo R$ 1,5 bilhão por ano. Claro que ainda falta a aprovação do Congresso Nacional que em tempos de eleição pode ficar mais difícil sair este ano. Mas, cria incentivos para chegada de carros como o Chevrolet Bolt. 

LEIA MAIS: Governo assina medida provisória que cria novo regime automotivo

“O Rota 2030 será discutido com prioridade, porque é um programa que interessa a todos. Quer seja ao Estado de São Paulo, que tem atividade industrial automotiva forte e importante, como as regiões Sul e Nordeste, que têm essa discussão presente”, disse Igor Calvet, secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Governo federal. Ele enfatiza que é um programa de longo prazo que objetiva investimentos tanto em pesquisa e desenvolvimento como em veículos mais seguros e menos poluentes, entre os quais o Chevrolet Bolt .

De qualquer forma, o programa valerá por 15 anos e terá metas a serem cumpridas por ciclos. “A indústria dará sua resposta à sociedade no sentido de maiores investimentos, produzindo veículos mais econômicos e com isso trazendo uma situação melhor de sustentabilidade para o País”, afirmou Antônio Megale, presidente da Anfavea, a associação que reúne os fabricantes nacionais de veículos.

Mas, quais são cinco pontos principais que prometem incentivar o desenvolvimento da indústria automobilística no Pais, numa tentativa de impulsionar a produção nacional

1)   O investimento das montadoras para atender todas as contrapartidas será bilionário, mas vale lembrar que seriam inevitáveis num mercado em transformação acelerada. Ou seja, pagar menos imposto é muito bem-vindo. A Volkswagen, por exemplo, anunciou um total de R$ 7 bilhões para viabilizar seu plano de recuperação nos mercados brasileiro e sul-americano de uma forma geral, incluindo o lançamento de 20 novidades, sendo que três delas já foram anunciadas.

2)  Os mais otimistas enxergam no Rota 2030 como uma alternativa para competir nos mercados internacionais. Tornar os nossos carros mais próximos do que já é exigido nas indústrias europeia e americana. Ampliar a força do Brasil na América do Sul e fortalecer a parceria histórica com a Argentina. (Aliás, em breve, também deve ocorrer a implementação das placas dos carros com padrão Mercosul).

 3) O Rota 2030 deve deixar os carros atuais com valores baixos pela melhoria da competitividade num programa de longo prazo.

LEIA MAIS: SIMEA debate o novo regime automotivo Rota 2030. Saiba detalhes

 4) O programa coloca como uma das premissas a redução do consumo de combustíveis fósseis e, inevitavelmente, da poluição nos grandes centros urbanos. A primeira estabelece melhorar em 11% a eficiência energética dos carros até 2023.

 5) O Rota 2030 abre caminho para os carros elétricos e híbridos ao centro da discussão. Serão eles os principais beneficiados nos próximos anos se o Rota 2030, de fato, vingar. A grande aposta é para que esses modelos serem produzidos nacionalmente, o que pode baratear o preço.

A chegada dos elétricos


Além do Chevrolet Bolt, o Leaf (ao lado do presidente da NIssan do Brasil, Marcos Silva) é outro elétrico que virá ao País
Divulgação

Além do Chevrolet Bolt, o Leaf (ao lado do presidente da NIssan do Brasil, Marcos Silva) é outro elétrico que virá ao País

 Uma das grandes promessas dos elétricos, no curto prazo, vem da GM. A expectativa é que no ano que vem seja vendido aqui o Chevrolet Bolt EV. Um hatch 100% elétrico que é alimentado por baterias de 60 kwh. Elas dão uma autonomia, com carga completa, de 380 quilômetros.

 O Bolt EV, por exemplo, custa cerca de US$ 40 mil, nos Estados Unidos. Algo em torno de R$ 150 mil. No Brasil, ainda não existe um valor oficial, mas certamente não será barato mesmo com a redução autorizada da alíquota do IPI dos carros ecologicamente corretos. Outra novidade nas nossas ruas, em breve, será o Nissan Leaf. O modelo traz baterias de 40 kwh e é capaz de rodar 240 quilômetros. O valor: R$ 200 mil?

LEIA MAIS: Veja 5 carros híbridos e elétricos que chegarão ao Brasil até 2019

 Fundamentalmente, o Rota 2030 certamente vai decolar e ajudar a economia brasileira, porque o setor automotivo tem uma efetiva participação no PIB do País. Mas, o que se espera é que reflita também no bolso o consumidor que irá sentir a diferença de ter acesso às modernas tecnologias amplamente presentes no primeiro mundo, como novo modelos como o Nissan Leaf e o Chevrolet Bolt

Comentários Facebook