Abílio relembra CPI da Saúde após afastamento de Emanuel Pinheiro

O afastamento do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), no desenrolar da “Operação Capistrum”, nesta terça-feira (19), fez com que muitos lembrassem da atuação do ex-vereador Abilio Junior. Responsável pela CPI da Saúde, em 2018, em suas redes sociais, o ex-parlamentar resumiu sobre como sucederam as investigações feitas à época, que culminaram em vários apontamentos de contratações irregulares, corrupção, improbidade administrativa, dentre outras ações contrárias aos princípios da administração pública.

“Tudo começou com uma fiscalização em que chamaram até policiais militares para me prender. Fomos fiscalizar algumas denúncias relacionadas à saúde de Cuiabá. Chegamos até a Secretaria de Saúde, onde encontramos um computador com diversos arquivos que indicavam claramente um esquema de contratação ilegal de servidores com nome, telefone e indicação política no verso. Um verdadeiro ‘cabidão’ de emprego articulado entre o Poder Executivo e Legislativo”, lembrou Abilio.

Segundo Abilio, toda informação levantada foi analisada e os principais servidores da pasta ouvidos no decorrer das oitivas da CPI da Saúde, a qual foi presidente. “Tanto a ex-secretária quanto o próprio Huark, que era o secretário naquela ocasião, foram claros ao relatarem a ingerência política instalada na pasta”, disse Abilio, frisando que, ao final da CPI toda documentação reunida foi entregue aos órgãos de controle e investigações (Delegacia Fazendária, Delegacia de Combate à Corrupção, TCU e MPE).

No decorrer de seu mandato, Abilio chegou a ser cassado pelos aliados do prefeito Emanuel, mas a Justiça o conduziu novamente ao Parlamento, onde enfrentou novos embates políticos contra a base de Emanuel. Em 2020, foi candidato a Prefeito, alcançando o primeiro lugar no primeiro turno, com 33,72% dos votos válidos (90.631). No segundo turno, acabou derrotado pelo atual prefeito Emanuel, que obteve 51,15% dos votos válidos (135.871).

Muitos acreditam que um dos fatores que levaram à derrota foi a fala sobre exonerar cerca de 3 mil servidores públicos. “Falei mesmo e não me arrependo, pois a intenção era acabar com esse ‘cabidão’ de emprego que, hoje, a polícia está aí comprovando tudo aquilo que falamos muito antes da campanha e que foram confirmados, inclusive, pela própria ex-secretária Elizeth, aquela que pediu pra sair quando deparou com a total ingerência política na pasta”

Mesmo com a derrota nas urnas, Abilio acredita que saiu vitorioso e continua ativo na fiscalização, inclusive recebendo denúncias cotidianas da população sobre a má gestão municipal. Abilio salienta, ainda, que todo o trabalho na CPI e demais ações fiscalizatórias, na época, contaram com o apoio dos vereadores Diego Guimarães, Dilemário Alencar, Felipe Wellaton e Marcelo Bussiki.

“Acabou meu mandato, mas nossa vontade de ver uma Cuiabá para pessoas ainda é um sonho a ser alcançado. Hoje, esse afastamento do paletó foi uma notícia maravilhosa. Uma ação policial que nos motiva ainda mais a continuar em busca desse sonho, uma notícia que nos dá um afago no peito, que nos faz acreditar que sempre estivemos no caminho certo”, salientou Abilio.

Comentários Facebook