“Bom Sucesso”: autores comentam comparação de Diogo com Bolsonaro

source

Se não faltou poesia em ” Bom Sucesso “, a novela das 19h também não se afastou da realidade. Um dos momentos que deram o que falar foi quando o vilão Diogo ( Armando Babaioff ) tomou o controle da editora de Alberto (Antonio Fagundes), a Prado Monteiro, e prometeu acabar com “publicações LGBT XYZ imorais” e com o “viés ideológico”.

Leia também: Diogo arma para matar Paloma na reta final de “Bom Sucesso”

Diogo de Bom Sucesso e Bolsonaro arrow-options
Divulgação/Globo/Reprodução/Instagram

O personagem Diogo foi comparado com o presidente Jair Bolsonaro


As falas geraram comparações com episódios recentes, como a tentativa de o governo federal cancelar um edital que contemplaria séries LGBT . Os autores são cuidadosos com o paralelo, mas lembram que “não vivem numa redoma”.

Leia também: Diogo tenta matar Alberto em “Bom Sucesso”

“Muita gente fala que o Diogo é um vilão caricato. Mas a realidade é plagiária em certo sentido. Quando o secretário da Cultura (Roberto Alvim) foi defenestrado em sua arrogância nazista, coincidiu com a queda do Diogo da editora. A coincidência histórica é inescapável e reitera uma leitura da novela que não tem como a gente prever”, diz Halm.

Outra surpresa, lembra Rosane, foi a recepção positiva a Waguinho (Lucas Leto), jovem que se envolve com o crime e ganha uma segunda chance.

Leia também: Em “Bom Sucesso”, Diogo coloca fogo na editora com todos dentro

“Eu, pessoalmente, tinha medo de abordar essa história num horário com classificação indicativa de 12 anos. Na pesquisa, vimos que todo mundo conhecia alguém parecido e queria ter esperança de que havia uma saída.”

Fonte: IG GENTE
Comentários Facebook