Borja recusa ofertas e situação pode custar R$ 11 milhões aos Palmeiras

Lance

Borja triste arrow-options
Reprodução

Borja recusa ofertas e situação pode custar R$ 11 milhões aos cofres do Palmeiras.

O Palmeiras tem tentado negociar Borja, mas o colombiano não está facilitando e o clube pode ter de gastar mais US$ 3 milhões (R$ 11,26 milhões) com o jogador. O atacante já recusou quatro propostas vindas do exterior, todas topadas pelo Verdão. Caso nenhuma negociação se concretize até 17 de agosto, o clube passa a ser obrigado a comprar os 30% dos direitos econômicos do centroavante que seguem com o Atlético Nacional, da Colômbia.

Leia também: Somos maiores gritando seu nome, Fernando Prass. O goleiro completa 41 anos

Ao concluir a aquisição de Miguel Borja, em operação finalizada em 17 de fevereiro de 2017, o Palmeiras pagou US$ 10,5 milhões (R$ 32,5 milhões na época) por 70% dos seus direitos econômicos. Ficou acertado que o Verdão teria de repassar 30% da venda do camisa 9 ao Atlético Nacional ou, caso ele não seja negociado até 17 de agosto de 2019 (exatos dois anos e meio após a contratação), desembolsar US$ 3 milhões para ficar com 100% do jogador.

A informação desse novo gasto com Borja foi dada inicialmente pela rádio Caracol, da Colômbia, e confirmada pelo LANCE! Diante da situação, o Palmeiras pode desembolsar, no total, quase R$ 44 milhões por um centroavante em baixa, que chega a ser terceira opção na posição atualmente na avaliação do técnico Luiz Felipe Scolari.

E o atacante não tem facilitado. O Palmeiras já recebeu neste ano quatro propostas do exterior por ele: duas da China, uma dos Estados Unidos e outra do México. A diretoria não confirma essas ofertas, mas o LANCE! apurou que houve acerto da parte do clube com todas essas quatro equipes, mantidas sob sigilo. Mas Borja não topou ir para nenhum desses times.

Borja comemorando arrow-options
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

O Palmeiras já recebeu quatro propostas por Borja esse ano.

Leia também: Palmeiras promove Campanha do Agasalho em jogo contra o Internacional

Já está claro o incômodo de diretoria e comissão técnica com o camisa 9, que, na semana passada, sequer foi levado a Campinas para disputar amistoso diante do Guarani. Arthur Cabral, que chegou do Ceará no começo do ano com problema no púbis e necessitando de ajustes técnicos e táticos na avaliação de Felipão , já está à frente do colombiano na função de reserva de Deyverson.

Borja tem 14 jogos e 1028 minutos em campo na temporada, fazendo apenas três gols – não balança as redes desde a vitória por 3 a 2 sobre o Ituano, em 27 de fevereiro. De 23 de março para cá, só atuou duas vezes, indo mal contra San Lorenzo e Sampaio Corrêa. A situação o fez ficar fora até dos 40 pré-selecionados da Colômbia para a Copa América. Mas nada o fez se interessar em mudar de clube ou se posicionar além do desejo de infância de defender o Junior Barranquilla, seu clube de coração.

Leia também: Juiz afirma em decisão que Palmeiras ‘sequer tem título mundial’

Ver essa foto no Instagram

Orgulhoso de fazer parte da melhor equipe do Brasil ??

Uma publicação compartilhada por Miguel Angel Borja (@miguelaborja23) em 22 de Nov, 2018 às 7:21 PST

– Não é segredo para ninguém que o Miguel é um grande torcedor do Junior e deseja, algum dia, jogar na equipe. Mas, neste momento, a situação não é de desejos, trata-se de uma situação econômica. Os parâmetros econômicos de uma possível operação são bastante elevados para a realidade do futebol colombiano. Se o Junior decidir fazer um esforço econômico, a possibilidade tomaria força, mas, até o momento, não existe nenhum contato entre as partes – falou Juan Pablo Pachón, representante de Borja , à rádio Caracol nessa terça.

Comentários Facebook