Centro de Reabilitação celebra Dia das Crianças com alegria e integração


Alto astral, muitas brincadeiras com o Grupo Voluntários da Alegria e uma mesa farta de guloseimas. Assim foi a manhã de atividades recreativas promovidas pela Prefeitura de Várzea Grande, secretaria de Saúde, por meio do Centro de Reabilitação – CER II,  para as crianças atendidas, em comemoração ao Dia das Crianças. A ação foi realizada nas dependências do Centro, na manhã de sexta-feira (8) e buscou proporcionar de uma maneira diferente, integração entre as famílias e as crianças que fazem uso do serviço.

“ É uma forma de promover a inclusão, para que as crianças  se sintam pertencentes a esse ambiente com outras crianças que também possuem algum tipo de deficiência. É também um outro jeito de propor a reabilitação, sem perder de vista a integração e o exercício da cidadania”, declarou a coordenadora do Centro de Reabilitação, Gilssa Ribeiro, informando que as crianças que têm necessidade de reabilitação e atendam aos critérios de inserção no serviço, podem ser acolhidas desde os primeiros meses de vida. Os pais podem procurar as Unidades Básicas de Saúde, pois a regulação parte das unidades, para então  entrarem no Sistema da Rede SUS de Várzea Grande e iniciarem o tratamento.

“O Centro atende a uma gama de pacientes muito grande, desde crianças a adultos, cerca de mil pessoas. Mas como estamos na semana da criança, decidimos fazer essas atividades  para aumentar a estimulação dos pacientes pequeninos, melhorar a comunicação, o contato com outras crianças e vivenciar uma forma diferente que não seja só os tratamentos e sim proporcionar alegria e descontração. A resposta foi extremamente surpreendente, porque temos  pacientes que  ficam quietinhos, não interagem, e hoje se soltaram, brincaram e se divertiram, o que é muito gratificante. Fizemos uma surpresa e eles corresponderam com alegria. Foi fantástico, um dia diferente prá lá de especial. ”, destacou Gilssa Ribeiro.

A Promotora de Justiça e primeira-dama, Kika Dorilêo, participou do evento, disse que quando chegou ao Centro, já de primeira vista  superou todas as  suas expectativas. “Fiquei completamente feliz, as crianças alegres, saindo do ambiente convencional de terapia para a interação. Meus olhos se encheram de lágrimas vendo o carinho que as crianças têm e a ligação com os profissionais de saúde. Vi muitos abraços, sorrisos, o que significa que as crianças confiam nestes profissionais. Uma equipe multidisciplinar dedicada, integrada com o trabalho de resultado. Um minuto de dedicação, de doação do seu tempo a estas crianças, faz a diferença. É justamente esta conduta dos profissionais, que estão dando mais qualidade de vida às nossas crianças  e suas famílias. Agradeço um a um, que em suas funções , dedicam seu tempo a elas. O SUS de Várzea Grande está de parabéns nos serviços de reabilitação”, afiançou Kika Dorilêo.

Marcela Rondon, mãe de Alejandro Emanuel, 2 anos, foi uma das mães que fizeram questão de comparecer. “Sempre tento participar e um momento como esse é maravilhoso, tanto para eles, quanto para gente. Nossa rotina se resume a fisioterapia/casa/fisioterapia, então é bem gratificante participar dessas atividades. Só tenho a agradecer, porque é muito prazeroso e descontraído. Meu filho nasceu com má formação congênita –  espinha bífida –  estava desenganado pelos médicos. Não me abati, procurei o Centro de Reabilitação, e foi rápido o acesso, iniciaram uma sequência de fisioterapias, com vários tipos de profissionais, hoje é uma criança que gatinha, fala, se comunica muito bem, e tem coordenação motora nas mãos. Digo que estes profissionais são os anjos da guarda”, celebrou ao lado do pequeno, que bateu palmas.

Cenia Joviô, mãe do pequeno Isak, 6 anos, diagnosticado com hiperatividade e TEA – Autismo, disse que o filho é atendido no Centro, faz somente um ano, ele não falava, ficava muito alterado, não se comunicava, agora é uma outra criança. “Ele recebe todo atendimento que precisa, seja na parte motora, seja com a fonoaudióloga e o neurologista. É muito importante porque, ao longo do tratamento, já dá pra notar que ela teve avanços. Ainda tem dificuldades, mas a parte motora e a fala  já se desenvolveu bem e, além disso, participar dessas atividades , ao lado das outras crianças, o deixou muito feliz”, comentou.

Para o médico Fisiatra, Ricardo Venson, a equipe multidisciplinar do Centro, e principalmente a fisiatria, trabalha  para o melhoramento da qualidade de vida dos pacientes. Ele explica que a fisiatria é a área da medicina responsável pelo tratamento de uma ampla variedade de doenças que causam algum grau de incapacidade, o que engloba desde casos mais leves como uma dor nas costas (lombalgia) até lesões mais graves como sequelas de um ‘derrame’ cerebral (acidente vascular cerebral), síndromes, doenças cerebrais, amputações, entre tantas outras.

“ O nosso objetivo aqui é restabelecer as funções que estão prejudicadas pela doença utilizando múltiplos recursos e, na maioria das vezes, trabalhando em associação com outros profissionais de saúde, que compõem a equipe multidisciplinar, como os fonoaudiólogos, fisioterapeutas, médicos especialistas, psicopedagogos, nutricionistas. Com isso trabalhamos a pessoa com deficiência de forma integral, sendo o objetivo final dar a eles qualidade de vida e interação com a família e sociedade. Os resultados são fantásticos. Aqui entram pessoas sem mobilidade alguma, e saem falando, se locomovendo, interagindo. São tantos casos de melhorias das condições em que são acometidos pelas doenças, que nos surpreendem. O SUS de Várzea Grande em Reabilitação está de parabéns, somos uma equipe integrada e que buscamos resultados em todos os tratamentos. Isso nos torna mais humanitários”, disse o médico.

“O Centro de Reabilitação de Várzea Grande  oferece, em um único complexo, atendimento para pessoas com deficiência física, intelectual, auditiva e visual para usuários de todas as faixas etárias. São diversas especialidades, tecnologias e estrutura de última geração, associadas à qualidade, segurança e humanização destinadas 100% aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).Os usuários podem ter acesso aos serviços por meio de encaminhamento das Unidades de Saúde, acolhidos pela Central de Regulação”, concluiu a coordenadora, Gilssa Ribeiro.

Comentários Facebook