“Chance zero”: Bolsonaro recua sobre recriação do ministério da Segurança

source
Bolsonaro arrow-options
Jornal de Brasília

“Em time que está ganhando não se mexe”, afirmou o presidente

O presidente Jair Bolsonaro recuou da criação do ministério da Segurança Pública e afirmou nesta sexta-feira que está descartada a possibilidade de desmembrar o Ministério da Justiça, comandado por Sergio Moro.

Leia também: Caso Flordelis: relembre o mistério do paradeiro de celular do pastor morto

Ao chegar a Nova Déli, na Índia, Bolsonaro disse que a chance de recriar a pasta da Segurança Pública é zero: “o Brasil está indo muito bem. Segurança pública, os números indicam que está indo no caminho certo, e a minha máxima é: em time que está ganhando não se mexe”.

A possibilidade de que o ministério da Segurança Pública seja recriado por Bolsonaro, conforme ele mesmo afirmou na quinta-feira que pode ocorrer, instalou novo conflito na relação dele com o ministro Moro . Aliados do ex-juiz sabem que, se a medida de separar as áreas da pasta for adiante, ele pode deixar a Esplanada dos Ministérios.

“É comum receber demanda de toda a sociedade. E ontem eles (secretários) pediram para mim a possibilidade de recriar o Ministério da Segurança. Isso é estudado. Estudado com o Moro. Lógico que o Moro deve ser contra, mas é estudado com os demais ministros. O Rodrigo Maia é favorável à criação da Segurança. Acredito que a Comissão de Segurança Pública (da Câmara), como trabalhou ano passado, também seja favorável. Temos que ver como se comporta esse setor da sociedade para melhor decidir”, disse o presidente, ao deixar o Palácio da Alvorada na quinta-feira.

Leia também: Marco Zero de São Paulo reúne histórias curiosas que nem paulistanos conhecem

O desfecho para a divergência mais recente deve ocorrer só depois da próxima terça-feira, quando Bolsonaro desembarca em Brasília após uma viagem oficial de seis dias à Índia. Ao longo do último ano, no entanto, outras derrotas sofridas por Moro já o deixaram irritado e, até agora, não o levaram a abandonar o cargo.

Comentários Facebook