Chapada tem 4 candidatos; polarização deve ficar entre Gilberto e Thelma

A Prefeitura de Chapada dos Guimarães será disputada por quatro candidatos. A briga, no entanto, deverá ser polarizada entre o ex-prefeito Gilberto Mello (PR) e a ex-deputada federal Thelma de Oliveira (PSDB). Também estão na disputa o empresário Sidnei Varanis (Rede Sustentabilidade) e o Didi da Pousada (PTN).

Thelma de Oliveira encabeça a coligação “Chapada para Todos”, que tem como candidato a vice-prefeito Osmar Froner (PRP). Fazem parte da aliança o PSDB, PRP, PRTB, PSL, PHS e Solidariedade.

Gilberto Mello formou a coligação “Somos Todos Chapada”, com 11 partidos para tentar se eleger, sendo eles PR, DEM, PSB, PMDB, PSC, PTB, PP, PT, PV, PC do B e PSD. A chapa é composta ainda pelo candidato a vice-prefeito, o pecuarista Otavio Melo (PSB).

O candidato Didi da Pousada (PTN) tem como vice o ex-vereador por dois mandatos, Ariel Lara de Siqueira, o Tuca (PDT). A chapa faz parte da coligação “Chapada Merece Respeito” apoiada pelo PTN, PDT e PSDC.

A Rede vem com chapa pura, onde Sidnei Varanis tem como vice o servidor público, Carlos Henrique Martins (Rede).

Embate jurídico

A disputa entre Thelma e Gilberto teve o primeiro capítulo na Justiça Eleitoral, quando a defesa da tucana, patrocinada por José Antônio Rosa, ingressou com pedido de impugnação do registro de candidatura do republicano, no TRE. “Ele enfrenta os mesmos problemas da eleição anterior”, afirma o jurista ao, referindo-se que Gilberto, em 2012, teve registro impugnado.

Segundo Gilberto, os problemas que havia com a Justiça Eleitoral estão quitados e, por isso, está apto para concorrer. “A Thelma quer briga no tapetão, não tem condições de ganhar no voto. Ela será impugnada. E provocou guerra e vai ter guerra”, dispara.

Para aumentar a polarização contra Thelma, o candidato sustenta que não iniciaria o embate jurídico. Entretanto, afirma que foi provocado e agora não irá fugir. Contesta ainda que o jurídico da tucana ingressou com ação fora do prazo. A defesa de ex-deputada nega.

Gilberto foi prefeito de 2005 a 2008 e amargou derrota à reeleição para Flávio Daltro, cuja administração foi considerada um desastre. Em 2012, Gilberto se elegeu de novo, mas não pôde assumir porque estava inscrito como ficha suja. O médico José Neves (PSDB), segundo colocado nas urnas, se tornou prefeito e, no ano passado, com a gestão em baixíssima popularidade, renunciou ao perceber que seria cassado. O então o vice Lisu Koberstain (PMDB) ganhou a cadeira de prefeito e toca a administração até hoje. O peemedebista declarou apoio ao republicano.

Com RDNEWS

Comentários Facebook