Companheira de Paulinho, do Roupa Nova, briga por herança


source
paulinho
Reprodução

A companheira do cantor alega que os filhos dele abriram o inventário sem notificá-la

Elaine Bastos, companheira de Paulinho, vocalista do Roupa Nova , entrou na justiça contra os filhos do cantor , Twigg de Souza Santos e Pedro Paulo Castor dos Santos. Ela solicitou o reconhecimento de união estável com o cantor após saber que não foi incluída no inventário dele.

Ela afirmou que ficou de fora da abertura do testamento do artista e disse que a relação de 16 anos com Paulinho prova que os dois eram praticamente casados oficialmente.

Em entrevista a Revista Quem, ela contou como soube da exclusão da herança. “Soube que eles abriram o inventário logo após a morte do pai, no dia 16 de dezembro, na 7ª Vara da Comarca da capital e não me incluíram. Desde o início queria fazer tudo de forma consensual, não queria, nem quero briga ou confusão. Vivi durante 16 anos com o Paulinho uma vida marital. Nosso acervo de fotos de viagens já mostra. A vida do Paulinho era eu e ele era a minha vida. Ele era totalmente dependente emocionalmente de mim e eu também dele”, declarou.

Você viu?

Elaine disse ainda que desde 2006 é depedente do músico no Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e já deu entrada no INSS para ter direito a pensão. Ela contou que está vivendo à base de remédios psiquiátricos desde a morte do cantor. “Estou vivendo meu luto. Só saio de casa para ir ao psiquiatra e volto”, disse.

Twigg negou que tenha aberto o inventário do pai com o intuito de esconder qualquer direito que Elaine tenha na divisão de bens do cantor. 

“Meu irmão e eu abrimos o inventário do meu pai porque somos herdeiros legítimos. Ontem soube que ela deu uma entrevista para o portal Grande Tijuca e disse que nós mal esperamos o velório do meu pai para já darmos entrada no inventário […] Não existe essa história de deixá-la de fora, de não lembrar dela. A partir do momento em que ela tiver direito, vai estar no processo […] Nunca quis briga, só quero paz”, explicou.

Marco Júnior, advogado de Twigg e Pedro Paulo, disse que a afirmação de Elaine a respeito do inventário de Paulinho é inverídica.

Paulinho  morreu no dia 14 de dezembro de 2020 . Ele tinha passado por um transplante de medula e estava em tratamento contra a Covid-19 . Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Copa D’or, na Zona Sul do Rio.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook