Condomínios ainda não têm estrutura para os carros elétricos, aponta estudo


source


Fiat 500e é um dos modelos 100% elétricos que foram lançados no Brasil em 2021. Outras novidades estão previstas
Divulgação

Fiat 500e é um dos modelos 100% elétricos que foram lançados no Brasil em 2021. Outras novidades estão previstas

De acordo com a previsão da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Elétricos (Anfavea), até 2035, 62% da frota de veículos no país poderá ser de automóveis elétricos. Com isso, ao invés dos postos de combustíveis, o foco de abastecimento passa a ser por meio de um carregador instalado em casa, ou nos condomínios residenciais.

Entretanto, mesmo com o mercado de elétricos crescendo, assim como o imobiliário, este ainda não está preparado para receber os pontos de carregamento. Segundo um estudo divulgado pelo Centro de Estudos da Metrópole (CEM) , só na cidade de São Paulo, o número de prédios já ultrapassou o de casas, e a verticalização deve continuar crescendo nos próximos anos.

Para Ricardo David, sócio fundador da Elev , empresa que oferece soluções para o ecossistema de mobilidade elétrica, o que poucos sabem é que é possível realizar as alterações necessárias no condomínio sem que haja muito gasto. Dessa forma, o planejamento é a parte mais importante, e alguns condomínios precisam pensar em como melhorar a eficiência energética para atender a essa demanda.


Pontos de recarga de bateria de elétricos em prédios residenciais é um grande desafio hoje em dia
Divulgação

Pontos de recarga de bateria de elétricos em prédios residenciais é um grande desafio hoje em dia

Mas o executivo ressalta que o carregador passa de um extra, a item essencial de valorização do imóvel. “Em 2020, houve um aumento em 60% na venda de carros elétricos e híbridos no Brasil e isso deve perdurar nos próximos anos e os condomínios que se preparam agora para isso”, defende.

Leia Também

Na Europa, China e, mais recentemente, nos Estados Unidos , estão sendo implantadas medidas públicas que buscam trazer mais incentivos ao segmento. Em São Paulo , o governo do Estado já decretou a diminuição da alíquota do ICMS  para o desenvolvimento do segmento a partir de 2022.

Não é tão simples ter um carregador para carro elétrico em casa. Quem mora em condomínio vai precisar de um projeto e enviá-lo para administração do prédio com alguns detalhes, entre os quais um medidor individual de consumo.   Também existe a necessidade de uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), como em toda obra.

O valor de um carregador doméstico varia entre R$ 6.700 e R$ 15.200, dependendo do modelo e da potência do aparelho. A instalação precisa ser feita por profissionais especializados e requer algumas horas para ser feita. De qualquer forma, trata-se de algo que vai passar a ser rotineiro em boa parte das residências no Brasil. 

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook