Contratações por salários menores derrubam arrecadação da Previdência Social

Brasil Econômico


Previdência Social tem sido afetada pelos salários mais baixos oferecidos pelo mercado
Divulgação

Previdência Social tem sido afetada pelos salários mais baixos oferecidos pelo mercado

A Previdência Social registrou a primeira queda real nos últimos 10 meses em decorrência da contratação de trabalhadores por salários mais baixos. De acordo com dados divulgados pela Receita Federal
, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) arrecadou R$ 31,818 bilhões em março, valor 0,53% inferior ao do mesmo mês do ano passado, com valores pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Leia também: Burger King cria saco de pipoca com fundo falso para esconder sanduíches

Em termos reais, a última queda havia acontecido em abril do ano passado. Segundo o chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias, a evolução do mercado de trabalho nos últimos meses fez a arrecadação da Previdência parar de crescer ao descontar a inflação.

“A economia está contratando cada vez mais trabalhadores, mas eles estão voltando ao mercado com um patamar salarial um pouco menor [do] que no ano passado. Apesar de haver crescimento no número de empregos, a massa salarial está crescendo menos”, disse Malaquias.

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados ( Caged
) do Ministério do Trabalho mostrou que, em fevereiro, mês que serviu de fato gerador da arrecadação de março, o País contratou 61.188 trabalhadores formais a mais do que demitiu. A massa salarial cresceu 3,68% em valores nominais em relação a fevereiro do ano passado. No entanto, com a atualização pelo IPCA, houve queda de 0,06% na mesma comparação.

Leia também: Justiça decide que funcionário tem direito a seguro-desemprego mesmo sendo PJ

Lucro das empresas

A arrecadação do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) – tributos ligados ao lucro das empresas – caiu 3,78% em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado, em valores corrigidos pelo IPCA, depois de crescer em janeiro e fevereiro. De acordo com Malaquias, a queda se deve ao fato de que muitas empresas de grande porte anteciparam o pagamento dos dois tributos para os dois primeiros meses do ano, impactando o resultado de março.

“O que importa é o resultado do trimestre, em que a arrecadação [de IRPJ e CSLL] acumula crescimento de 2,18% acima da inflação. A legislação dá a faculdade para as grandes empresas pagarem em qualquer um dos três primeiros meses do ano. A data de pagamento é um comportamento que varia de empresa para empresa. Não dá para estabelecer um padrão”, disse.

Segundo o auditor da Receita, aconteceram compensações (devoluções de tributos pagos a mais) e o abatimento de prejuízos de anos anteriores por grandes empresas, que também puxaram para baixo o pagamento de IPRJ e CSLL em março.

Estimativa

A arrecadação federal acumula crescimento real (acima do IPCA) de 8,42% nos três primeiros meses do ano. Sem as receitas extras do ano passado, como o parcelamento especial conhecido como novo Refis, a Receita estima que o crescimento diminuirá nos próximos meses até encerrar o ano em torno de 4%.

Leia também: Motorista da Uber assaltado por “passageiros” será indenizado em R$ 27 mil

Além da Previdência
, Malaquias falou também sobre a arrecadação federal. Segundo ele, a estimativa está mantida e só será revisada no fim de maio, quando o Ministério do Planejamento divulgar a nova programação do Orçamento.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook