Doutores do Riso e Doadores da Alegria levam brincadeiras e conforto em hospitais de Cuiabá

A rede de voluntários de Doutores do Riso e Doadores da Alegria, projeto da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), formou 80 pessoas com um único objetivo em comum: levar alegria para os pacientes que enfrentam algum tratamento ou procedimento médico.

A iniciativa, que a princípio será realizada nos hospitais Santa Casa e Júlio Muller, em Cuiabá, reuniu pessoas que se dedicam aos serviços de assistência e bem estar social. A ação social ganha ênfase nesta quinta-feira (05.12), quando se é comemorado o Dia Internacional do Voluntariado.

O espírito voluntário sempre existiu na vida de Maria Ester Silva Bianchi, uma das participantes do projeto. Mesmo aos 86 anos, mãe de 14 filhos, nunca pensou em desistir de ajudar outras pessoas.

“Em toda minha vida ajudei ao próximo. Sempre me envolvi com teatro e música e quando vi o anúncio do curso, pensei que era a minha hora de ajudar ainda mais outras pessoas”, conta.

Maria Ester Silva (de vermelho ao centro), 86 anos, participando do curso de voluntários

As visitas nos hospitais para acompanhar enfermos já eram frequentes, mas ganharam um toque de profissionalismo ao concluir o curso do projeto que foi realizado no mês de novembro.

“Cuidei muito da minha família, me dediquei muito aos meus filhos, agora aos meus netos. Eu adoro ajudar as pessoas. Eu não sei do meu amanhã, só sei que tenho que contribuir, colaborar”, diz Maria Ester, que ainda divide a rotina diária com os estudos, para conclusão do ensino médio.

O voluntariado também sempre esteve presente na vida de Carlos Frederico Ulrich Alves de Sousa, 33 anos. “Meu irmão nasceu com Síndrome de Down. Eu tinha nove anos quando meus pais fundaram a Associação Mato-grossense de Síndrome de Down e, desde então, faço ações voluntárias”.

A participação no projeto foi incentivada pela mulher, que trabalhou em um hospital de Cuiabá e viu muito a atuação dos palhaços lá dentro.

“A nossa vida é muito estressante no dia a dia, acabamos incorporando esse estresse em casa. Acredito que o momento de descontração, de levar alegria para outras pessoas, alegra o nosso coração e nos da mais estímulo para viver”, relata.

O coordenador do projeto, o ator André D’Lucca, explica que a iniciativa pode contribuir para o desenvolvimento dos pacientes durante os tratamentos.

“Já está cientificamente comprovado que este trabalho de palhaços em hospitais traz benefícios aos pacientes. A primeira-dama me convidou para fazer o trabalho junto a secretária Rosamaria Carvalho, na Setasc”, explica.

Os voluntários que passaram pelo curso receberam orientações e dicas sobre atuações no formato de palhaços, além de aprender com profissionais da área de saúde os cuidados para a abordagem aos pacientes nos hospitais.

Segundo D’Lucca, a previsão é de que as visitas nos hospitais comecem no início do próximo ano.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook