Eleições 2022: por mais mulheres na política!

Chegamos a 2022! Um ano em que teremos eleições para presidente da República, governadores de Estado, senadores e deputados federais e estaduais. E é cada vez mais indispensável a discussão da participação feminina na política. Isso porque, apesar de sermos a maioria dentre os eleitores, ainda somos (uma pequena) minoria na ocupação de espaços de discussão coletiva e de tomada de decisões.Nas últimas eleições municipais (2020), segundo dados da Justiça Eleitoral, do total de 557 mil candidaturas em todo Brasil, pouco mais de 187 mil, ou seja, apenas 33,6%, foram de mulheres, tendo sido eleitas apenas 9,1 mil para os cargos de prefeitas, vice-prefeitas e vereadoras. É fato que o percentual de candidaturas de mulheres em 2020 supera o cumprimento da cota exigida (30%), mas está aquém do potencial de representatividade que nós mulheres temos.Nas majoritárias de 2018, o percentual de candidaturas femininas foi de 31,6%, sendo 9,2 mil entre os mais de 29 mil candidatos, das quais apenas 290 foram eleitas.Este cenário é ainda bastante preocupante, porque demonstra que mesmo sendo mais de 77 milhões de mulheres, ou seja, 52,2% dos eleitores, somos uma minoria entre candidatos e eleitos.Em Mato Grosso, nossa realidade é a mesma que a do restante do país. Mesmo nós sendo 50,7% do total de eleitores e 31,6% do total de candidatos, em 2018, das 40 vagas disputadas nas eleições majoritárias (considerando Assembleia Legislativa, Câmara Federal, Senado Federal e Governo do Estado), apenas cinco foram ocupadas por mulheres (contando duas suplentes de senador), correspondendo a 12,5% do total.Mas o que ainda falta para que mais mulheres participem da política?Ouso dizer que esse é um problema estrutural do Brasil, onde o enfrentamento dos problemas diários, a dupla e muitas vezes tripla jornada feminina, entre outros aspectos, ainda afastam as mulheres da participação política. Sem contar a resistência que muitas siglas políticas impõem à liderança feminina.No PSB Mato Grosso essa realidade é diferente. Das 15 mulheres eleitas prefeitas em 2020, duas são do PSB. A sigla conta também com duas vice-prefeitas e 23 vereadoras dentre os 142 parlamentares municipais eleitos pelo partido na última eleição. Temos no Brasil mais 283 mil filiadas, o que representa 44,29% do total. A sigla possibilita amplos debates que envolvem a pluralidade e a diversidade, o que faz da nossa legenda um espaço de acolhimento e estímulo às lideranças.Em 2022, o PSB Mulher Mato Grosso planeja se tornar palco para o protagonismo feminino nas eleições que se avizinham. Vamos oportunizar o debate político-partidário difuso, visando discutir todos os aspectos que envolvem melhorias para a sociedade.Sabemos que nós mulheres temos uma percepção aguçada para temas, principalmente, aqueles que se referem a nós, fator que é essencial para a construção de políticas públicas, cuja discussão não pode ser terceirizada ou delegada a quem não possui a mesma percepção.Por isso, conclamo as mulheres para fazerem a diferença em 2022 e colocar nossa voz a serviço da democracia. Definitivamente chegou a hora de um verdadeiro e eficaz protagonismo feminino.Katiuscia Manteli é jornalista, secretária de Serviços Legislativos da ALMT, secretária do PSB Mulher/Cuiabá e coordenadora de comunicação do PSB/MT.

Comentários Facebook