Empresa de celulose prevê investimentos de quase R$ 10 bilhões em Alto Araguaia

O governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), entregou na tarde de quinta-feira (08.08) a licença prévia para instalação em Mato Grosso de uma indústria de celulose que será instalada em Alto Araguaia. O projeto econômico da Euca Energy prevê investimentos de quase R$ 10 bilhões e milhares de empregos diretos e indiretos.

“Sem dúvida o maior empreendimento privado em curso hoje no Brasil, uma demonstração de que os investidores estão acreditando no estado de Mato Grosso. Em tempo recorde a secretaria conseguiu tramitar corretamente todo o processo de licenciamento para que eles possam prosseguir com as outras etapas para a implantação. Serão mas de 2 mil empregos diretos e milhares de empregos indiretos gerados em toda a região”, comemorou o governador Mauro Mendes.

O governador ainda destacou o crescimento que a indústria de celulose trará para a região sul do estado. “Será um grande polo de desenvolvimento que atrairá outros tipos de empresas que irão agregar a este projeto. A partir do momento que esta fábrica começar a ser construída, com certeza terá uma nova perspectiva, muda a realidade desta região, que já é tão importante e ganha mais este empreendimento”.

Esse tipo de empreendimento passa pelo processo mais complexo existente na legislação ambiental vigente, explica a Secretaria de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti. “São ouvidas diversas entidades e a sociedade. O projeto passa por análises, por consulta pública, por avaliação do corpo técnico multidisciplinar e só depois a licença é de fato entregue e concedida ao empreendedor”.

No caso da licença prévia para a indústria de celulose o processo foi analisado por oito técnicos da Sema e submetido ao Conselho Estadual de Meio Ambiente, que é composto por 27 membros da sociedade, onde foi debatido. “Esse processo democrático de estudo aprofundado é que dá a garantia de que estamos concedendo a licença ambiental após a análise rigorosa da observância dos critérios legais e técnicos. Esses critérios vão orientar a construção, instalação e operação, que são as fases seguintes após a avaliação da viabilidade ambiental do empreendimento”.

A Sema prima pela conciliação do desenvolvimento econômico e social com o aspecto ambiental e a conservação dos recursos naturais da região. “Indústria com tecnologia avançada são essenciais para que a gente possa contabilizar os interesses. No caso desse empreendimento a tecnologia mostrada é de ponta e tem preocupações com aspectos ambientais que envolve a produção da celulose e também vai fomentar o reflorestamento no estado de Mato Grosso que é um dos nossos objetivos tratados na estratégia PCI”, afirma Mauren.

O presidente da Euca Energy, Gilberto Goellner, explicou que Alto Araguaia tem a condição ideal de receber o empreendimento por questões energéticas, água, confluência de mais dois estados, logística ferroviária e rodoviária. “O estado de Mato Grosso é apropriado para uma indústria de celulose e o município de Alto Araguaia está a uma distância média de 80 km dos locais de plantio. É uma região mais alta, mais fria, onde o eucalipto se desenvolve mais e a produtividade é maior. Nestas condições o ciclo de fornecimento do eucalipto, que é de 7 anos chega a ser reduzido para seis e com alto potencial de desenvolvimento da madeira.

O empresário citou a preocupação com toda a questão ambiental. “Hoje a necessidade é de comprar ou arrendar 300 mil hectares onde plantaremos 180 mil hectares, visando o aproveitamento médio de 60% desta área. 40% será deixado para reserva. Nosso projeto abrange essa preocupação com a preservação. Com essa licença prévia temos condições de nos apresentar ao mercado internacional e atrair empresas que tenham interesse no país, visto que o Brasil é o melhor local para produzir eucalipto, celulose”.

O diretor da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (FIEMT), Gustavo Oliveira, destacou que a importância de grandes empreendimentos é o efeito irradiado que eles causam “Esse investimento de quase R$ 10 bilhões vai alimentar muitas outras cadeias produtivas, como o setor de base florestal, de energia, vai demandar muita logística contratar muita mão de obra. Essas grandes indústrias quando são atraídas para o estado causam um efeito na economia do município e da região. É um projeto que terá um grande impacto econômico e ambiental positivo para a sociedade de Mato Grosso”.

O prefeito de Alto Araguaia, Gustavo Melo, destacou a importância do projeto para a região. “Estamos na porta de entrada do estado, inserido no vale do Araguaia, em um ponto privilegiado, temos ferrovia. Esse empreendimento vem de encontro com os interesses públicos e econômicos de nosso município e da região e para o estado de Mato Grosso, é uma nova matriz econômica que surge no estado. Um investimento deste tamanho abre os olhos de investidores para o nosso estado”.

Comentários Facebook