Energia e o desenvolvimento de Mato Grosso

Por Tiago ViannaMato Grosso completa 274 anos de fundação neste dia 09 de maio!

Tenho orgulho de morar aqui, e estar à frente do Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Gás no Estado de Mato Grosso (Sindenergia), entidade que atua em prol do progresso deste estado. O avanço da energia está totalmente atrelado ao desenvolvimento de Mato Grosso.

Dá para imaginar que a iluminação pública de Cuiabá já foi feita com lampiões de azeite? E todos os dias dois servidores ficavam responsáveis por acender e apagar as lamparinas!Isso ocorreu por volta de 1874, alguns anos antes da fundação do estado, em 1878.

Muito diferente do que vemos atualmente, no qual ao apertar de um botão, a energia chega a quase todas as regiões e com ela vem o banho quente, o alimento refrigerado, a carga da bateria do celular, além do funcionamento das engrenagens da indústria e do comércio.

O mundo como vemos hoje não existiria se não fosse a energia elétrica e não será igual nos próximos anos, também devido às mudanças na forma como consumimos energia, e diretamente na economia também.

A energia produzida a partir de energia solar fotovoltaica se tornou mais barata do que a eletricidade de usinas movidas a combustíveis fósseis na maioria das nações. As energias renováveis vão tirar o carvão da rede, levando 80% do crescimento da demanda até 2030.Mato Grosso está de parabéns, e muito à frente dos demais estados devido aos benefícios concedidos que incentivam o uso de energia renovável, principalmente da energia fotovoltaica.

A partir do ano de 2023, os consumidores com uma média de demanda superior a 500kW conseguirão escolher os fornecedores e a concessionária que irão atender sua demanda por energia.

A principal delas será da fonte solar, e grandes empresas buscam comprar esse tipo de energia tanto por compromissos de redução de emissão de gases quanto por uma exigência da sociedade, o que influencia diretamente na imagem do negócio.

Vale lembrar que Cuiabá, em janeiro deste ano, foi a primeira capital brasileira a atingir a marca de 100 MW de potência solar instalada em residências, fachadas e em pequenos e médios terrenos, segundo à ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Parabéns Mato Grosso e sua gente!Tiago Vianna é presidente do Sindenergia MT, diretor regional no centro-oeste da Absolar, e diretor na Oeste Solar e Enersim.

Comentários Facebook