Governo é parceiro da iniciativa que cria plataforma de controle

O Governo de Mato Grosso, por meio do Instituto Mato-grossense de Carnes (Imac), é parceiro da iniciativa do grupo Carrefour que estabelece um controle sobre a compra de carne bovina que será revendida nos supermercados da rede. O lançamento do programa foi nesta quinta-feira (25.08), no Palácio Paiaguás, com a presença do governador Pedro Taques e do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho.

No lançamento da plataforma, Taquesr destacou que o Governo apoia a iniciativa porque coincide com o que o Estado propõem: Produzir, Conversar e Incluir (PCI), construído com o apoio conjunto com ONGs e a inciativa privada e apresentada durante da COP 21, em Paris, na França.

Taques destacou o compromisso do governo de Mato Grosso com o fim do desmatamento ilegal e com a inserção de boas práticas na produção. O chefe do Executivo Mato-grossense, lembrou ainda que mais de 60% da área territorial do Estado é formada por unidades de conservação e território indígena, onde moram 45 mil índios. Segundo o governador, a área conservada tem a mesma extensão territorial que a França, Espanha ou da Califórnia, nos Estados Unidos.

“Nós temos 16 milhões de hectares de áreas de baixa produtividade, podemos produzir mais em 6 milhões de hectares, e podemos conservar mais. Mas temos a parte do incluir, temos que cuidar de gente. As pessoas são importantes. Temos 105 mil famílias que vivem abandonadas em projetos de assentamentos, nós precisamos incluir essas famílias e, por isso, estamos trabalhando com regularização fundiária e a possibilidade de microcréditos”, comentou.

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho avaliou que Mato Grosso sai ganhando com a ação do grupo Carrefour. “Nos países mais desenvolvidos a sociedade está cada vez mais exigente e temos que mostrar que o produto tem uma origem vá de acordo com a legislação local e com a economia de baixo carbono”, destacou.

O vice-governador Carlos Fávaro, que também comanda a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), lembrou o trabalho ostensivo do Governo para zerar o desmatamento. Segundo ele, nesta semana foi feita mais uma operação para coibir a prática. Fávaro destacou que o Estado trabalha, além do mecanismo de controle, com ferramentas que possibilitam a regularização e premiação por boas práticas na produção.

O diretor de sustentabilidade do Grupo Carrefour, Paulo Pianez, afirmou que a empresa vai trabalhar com bases de dados sobre trabalho escravo, áreas embargadas, unidades de conservação e também o monitoramento, através de coordenadas geográficas. Segundo ele, ao adquirir gado de determinada propriedade será possível fazer o cruzamento dos dados para saber se a carne foi produzida de acordo com as normas e boas práticas.

Pianez conta que caso seja encontrada alguma irregularidade será feito um alerta, a compra é suspensa e será buscado os motivos para que o produtor possa se adequar. “A plataforma tem o sentido de ser inclusiva, mas também ter o controle”, afirmou.

O diretor geral adjunto do Grupo Carrefour, Jérôme Bédier, comentou que a empresa sempre focou nas boas práticas de produção. Segundo ele, o que passa a acontecer com a carne a partir de agora também é adotado em outros produtos comercializados pela rede, como os utensílios feitos com madeira, óleo de palma e soja.

O presidente do Imac, Luciano Vacari, afirmou que o instituto criado em Mato Grosso já é a grande inovação da produção de carne brasileira no ano de 2016. Ele avalia que a criação do Imac já começa a dar resultado tendo em vista o reconhecimento do Grupo Carrefour. “Nossa missão é garantir o local que o boi saiu, onde ele foi abatido e tudo precisa constar ali na embalagem para que o consumidor possa saber”, disse. 

Na ocasião também foi apresentado os números do grupo em Mato Grosso. Com seis lojas da marca Atacadão, o Grupo Carrefour emprega 1,9 mil pessoas e foi responsável por arrecadar R$ 64 milhões de ICMS no ano de 2015. 

Comentários Facebook