Hepatite C pode afetar sua pele, alerta médica dermatologista

A hepatite C é um vírus transmitido pelo sangue que causa inflamação do fígado, mas também pode causar problemas em outras partes do corpo – incluindo a pele. Contudo, por ser considerada uma doença “silenciosa”, muitas pessoas infectadas pelo vírus da hepatite C passam bastante tempo sem saber que têm hepatite porque geralmente não há sintomas por anos. Saliências, erupções cutâneas e manchas que coçam podem ser os primeiros sinais dessa infecção.

Conforme explica a médica dermatologista Karin Krause Boneti, a princípio, é preciso entender que a hepatite viral ocorre, principalmente, devido à infecção por vírus da família dos hepatotróficos: hepatite A (HAV), hepatite B (HBV), hepatite C (HCV), hepatite D (HDV) e hepatite E (HEV). “A hepatite viral pode ser dividida em formas agudas (HAV, HBV, HCV, HEV) e crônicas (HBV, HCV, HEV). Inclusive, alterações cutâneas são encontradas em até 17% em casos de HCV positivos”.

No caso da hepatite C, Karin ressalta que uma das alterações cutâneas mais conhecidas é a icterícia. “Se sua pele ou o branco dos olhos aparecerem amarelos, você pode estar com icterícia. Essa condição ocorre quando o fígado não consegue mais decompor a bilirrubina, uma substância amarelada encontrada na hemoglobina dos glóbulos vermelhos. Contudo, os sintomas de icterícias não são específicos do HCV. Cirrose ou lesão hepática de outros tipos também podem causar icterícia”.

Como outras doenças sistêmicas, a hepatite C pode causar coceira excessiva na pele – famoso comichão (prurido). “Isso, por sua vez, pode levar à vontade de coçar a pele, o que pode causar cortes e infecções. O prurido também pode estar associado a líquen plano e urticária. Para quem não sabe, líquen plano causa erupção cutânea – pequenas saliências que podem ser claras e brilhantes, vermelhas ou roxas. Com o tempo, essas saliências podem se tornar escamosas e coceiras”.

A médica dermatologista pondera que há ainda outras possíveis alterações cutâneas. “Também podem ocorrer ascites (inchaço semelhante ao de um balão na área abdominal causado pelo acúmulo de fluído ao redor do fígado quando ele é danificado); manchas de sangue (púrpura); angiomas de aranha; porfiria cutânea tardia (PCT), lesões com bolhas generalizadas – condição rara da pele; eritema acral necrolítico (NAE), erupções cutâneas escamosas – também rara”.

Karin complementa que o tratamento de hepatite C envolve medicamentos antivirais, que podem ajudar a diminuir a incidência de sintomas – incluindo aqueles que afetam a pele. “Além disso, o tratamento para doenças de pele específicas do HCV varia e dependerá das causas exatas, assim como da gravidade. Em alguns casos, o tratamento envolve lidar com o desconforto causado por esses problemas de pele. É muito importante consultar um médico e se cuidar”.

Comentários Facebook