HF BRASIL/CEPEA: Poder de compra pode ser favorecido em 2020; área de HF deve ser maior

Clique aqui e baixe o release completo em word. 

 

Cepea, 11/12/2019 – O ano de 2019 se iniciou com boas expectativas para a ECONOMIA, mas a falta de agilidade em aprovar reformas no País, a situação fiscal do governo e a desaceleração global limitaram o crescimento econômico. Já para 2020, o Anuário 2019-2020 (edição de dezembro/19) da Revista HF Brasil, do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, indica que a expectativa é mais otimista quanto ao crescimento econômico brasileiro. A concretização dessa perspectiva, contudo, dependerá da eficiência do governo na aprovação de mais reformas, melhorando a atratividade dos investidores no País.

 

CONSUMO de hortifrútis deve melhorar – Em 2019, o consumo de HF’s foi praticamente estável em relação a 2018. O poder de compra do brasileiro não se elevou como era esperado. Para 2020, tudo indica um cenário mais animador para o setor. Isso porque as perspectivas são de incremento na oferta de frutas e hortaliças para o novo ano, de consequente queda nos preços e de aumento na renda, contexto que pode resultar em recuperação do poder aquisitivo do consumidor e estimular a demanda.

 

ÁREA deve ser maior em 2020 – A rentabilidade em 2019 foi, no geral, superior à de 2018, garantindo maior capitalização do produtor de HF. Com isso, a expectativa para 2020 é de incremento de área de HF. Segundo a professora da Esalq/USP e coordenadora geral da revista Hortifruti Brasil, Margarete Boteon, “o cenário é positivo para 2020 para o segmento de frutas e hortaliças. Há sinais de retomada do crescimento no Brasil e não há tendência, por enquanto, de aumento significativo na oferta das frutas e hortaliças. A maior preocupação para 2020 é o impacto da alta do dólar nos custos de produção dos hortifrútis”.

 

Dólar elevado deve manter firme as EXPORTAÇÕES brasileiras – O dólar mais valorizado frente ao Real tende a manter os bons resultados da balança comercial observados em 2019. Isso porque o atual câmbio tem estimulado maiores embarques e limitado a entrada de frutas importadas no Brasil. Quanto ao acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, este pode elevar a competitividade internacional das frutas brasileiras no médio prazo. Por outro lado, a aliança facilita as importações de frutas e hortaliças in natura e industrializados do bloco europeu, o que, por sua vez, pode limitar um aumento mais significativo da balança comercial brasileira. Ressalta-se que o acordo comercial ainda precisa ser ratificado pelos parlamentos dos países membros de ambos os blocos, processo que pode se estender pelos próximos dois anos.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o mercado de hortifrúti aqui e por meio da Comunicação do Cepea, com a pesquisadora Margarete Boteon: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

Fonte: CEPEA
Comentários Facebook