Lucimar e Taborelli trocam pedidos de impugnação de candidatura

A eleição em Várzea Grande segue quente na esfera judicial, com os candidatos pedindo a impugnação dos registros adversário. A briga é entre a coligação “Pra Avançar e Melhorar”, encabeçada pela prefeita Lucimar Campos (DEM), que disputa a reeleição; e a coligação “Mudança Com Segurança”, do candidato a prefeito Coronel Taborelli (PSC). Ambas pedem os indeferimentos dos registros de candidatura.

A coligação “Avançar Pra Melhorar” e o Partido Democratas de Várzea Grande ingressaram, na tarde deste sábado (20.08), com pedido de impugnação para que a Justiça Eleitoral indefira o registro de candidatura do Coronel Taborelli. Conforme consta do pedido, Taborelli cometeu inúmeros atos ímprobos, ilegais e atentatórios à moralidade administrativa quando estava no comando de operações da Polícia Militar de Mato Grosso.

Os advogados ressaltam que, o candidato foi condenado em primeira instância, decisão confirmada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ/MT), ou seja, órgão colegiado, configurando inelegibilidade do artigo 1º, inciso I, alínea l da lei da Ficha Limpa.

Os advogados ressaltam ainda, que o candidato possui duas condenações por ato de improbidade, que foram mantidas pelo TJ/MT, 109577/2014 e 150911/2013.

No processo 150911/2013, Taborelli foi condenado por utilizar servidores públicos com desvio de função para atender a instituição Casa do Saber, que era dirigida pelo candidato, na cidade de Rosário Oeste (a 105 km de Cuiabá), além de utilizar funcionário e viatura da PM para fazer compras em Cuiabá, para Gilson da Silva.

Nos autos 109577/2014, o ex-policial foi condenado por improbidade, pois encerrou um evento festivo na cidade de Rosário Oeste e ordenou a prisão do secretário municipal de cultura, que se recusou a anunciar o nome do coronel para promovê-lo pessoal e politicamente. Além disso, foi reconhecido o abuso de autoridade, pois, na oportunidade, o ex-policial privou a liberdade de um menor sem estar em flagrante de ato infracional e sem qualquer ordem do Poder Judiciário.

Por outro lado, a coligação “Mudança Com Segurança”, do Coronel Taborelli, ingressou com uma representação contra a prefeita Lucimar Campos, requerendo a cassação dos registros dela e de seu vice, José Hazama (PRTB). A representação contra a democrata foi proposta na quinta-feira (18.08), na 20º Zona Eleitoral, que tem como responsável a juíza Ester Belém.

Com base no art. 73, VII, da Lei nº 9.504/97, os advogados da coligação alegam que houve excesso de gastos com publicidade institucional, na gestão da democrata, em ano de eleição. Alegam ainda, que a Justiça já tem conhecimento do fato, por ter deferido “inúmeras liminares para fins de estancar o rosário de ilegalidades praticado pela atual gestão”.

Com informações do site VG Notícias

Comentários Facebook