Marcos Cintra  promoveu técnico que vai substituí-lo há menos de um mês

source
Marcos Cintra arrow-options
Agência Brasil/Wilson Dias

Marcos Cintra, que elaborou projeto da nova CPMF foi demitido por Paulo Guedes

Demitido na tarde desta quarta-feira (11), o agora ex-secretário especial da Receita Federal  Marcos Cintra  será substituído temporariamente por um técnico que ele mesmo havia promovido há menos de um mês.

Paulo Guedes demite Marcos Cintra, secretário da Receita e ‘pai’ da nova CPMF

O auditor fiscal  José de Assis Ferraz Neto, que assume interinamente, havia acabado de assumir a subsecretaria-geral da Receita, após ser indicado para ocupar o cargo de João Paulo Fachada. A equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda procura um substituto definitivo para a posição.

Antes de ser indicado, Ferraz Neto estava lotado na Delegacia da Receita Federal em Recife. Auditor-fiscal há 22 anos, já havia comandado a Superintendência de 4ª Região do Fisco, responsável pelos estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Proposta de reforma tributária do Senado pode acolher nova CPMF, admite relator

Apesar de já ter tido esse cargo de chefia, sua indicação ao cargo foi recebida com surpresa por colegas. Entre técnicos da Receita , Ferraz Neto é considerado de perfil discreto.

Como seu nome não era conhecido, a nomeação causou apreensão entre os outros secretários de que sua atuação pudesse ser uma brecha para ingerências políticas no órgão, o que acabou sendo descartado depois.

Na hierarquia da Receita, o subsecretário-geral é o responsável por tocar o dia a dia do órgão, como despachos com os outros secretários do primeiro escalão.

Entre as atribuições do cargo, está fazer uma ponte entre as demandas dos auditores e o secretário especial, ligado ao ministro. Recém-chegado ao posto, o novo chefe do Fisco terá que acumular essas funções .

Embora a troca de comando na Receita tenha sido anunciada no dia 19 de agosto, Ferraz Neto só foi nomeado no dia 30 de agosto, quando sua indicação foi publicada no Diário Oficial.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook