Sonho que se sonha só é só um sonho, mas sonho que se sonha junto é realidade. Muitos casais almejam um casamento perfeito, e como a celebração está intimamente ligada com a personalidade do casal, não quer dizer que os noivos sempre procuram por um casamento com cara de megaevento. É por isso que existem diversos tipos de cerimônia, e os mini weddings tem se tornado tendência, por ser uma opção de baixo orçamento e a mais intimista possível.

Com um número restrito de convidados, que vão de 70 a 100 pessoas, o mini wedding tem conquistado espaço no mercado de casamentos, por valorizar a intimidade de um momento tão especial. Locações exóticas começam a aparecer nas opções, e restaurantes e bistrôs tem entrado na lista de procura por ser uma alternativa econômica e discreta. A Casa do Parque, o primeiro-bistrô galeria de Cuiabá, dispõe de mobiliário, decoração e buffet, além do diferencial de casar numa “casa de cultura”.

“O mini wedding é a aposta certa pra quem quer evitar gastos, mas deixar em evidência o charme. Por isso que depende muito do espaço, porque ele tem que ter a ver com o bolso e personalidade do cliente. Geralmente os restaurantes são uma boa escolha por estarem sempre abertos a propostas e por atender a demanda de receber não mais que 100 pessoas”, informa o decorador, Bruno Faust.

A nutricionista, Fernanda Lucas, foi uma das noivas que se encantou com o espaço, e lá realizou sua cerimônia.

“Eu e meu marido nunca sonhamos em fazer um casamento grande, uma festona, tanto que havíamos decidido só casar no civil. Nunca estive na Casa do Parque antes, só conhecia por foto e mesmo assim, já achava lindo. Pra comemorar o casamento civil fomos almoçar na Casa, e foi ai que me apaixonei. Marquei para conhecer o Buffet e acabei não visitando nenhum outro lugar. Pensei: meu casamento vai ser aqui e acabou”.

Uma das vantagens em realizar a união em bistrô é cortar a decoração do orçamento, já que a contratação oferece mesas e cadeiras, assim como todos os utensílios para o buffet. De acordo com Bruno Faust, o casal pode economizar uma média de até 70% em comparação a um casamento grande.

“Posso dizer que 90% da decoração do meu casamento era da Casa, principalmente pelo mobiliário ser muito bonito. Meu decorador usou só um armário e uma mesa, para os bem-casados, e ele cuidou das flores também. Poupamos até em iluminação. Realmente a decoração foi o melhor custo benefício, aproveitei tudo deles”, confessa a nutricionista.

Como A Casa do Parque também é cenário de arte, os noivos podem optar por se casarem em meio às exposições que acontecem na Galeria 455, dando uma cara diferenciada para a celebração. No caso de Fernanda Lucas, sua cerimônia aconteceu durante a exposição Circo da Capucine, que combinou com as cores alegres que ela escolheu. Outro ponto que é possível poder mexer é nos pratos do cardápio para agradar a todos os gostos. Além disso, os convidados são servidos a francesa, evitando filas e contratempos que possam prejudicar a harmonia do momento.

O decorador ainda pontua que um dos diferenciais desse tipo de evento é poder planejar com mais rapidez e atenção. “Para organizar um mini wedding, você dispõe de muito menos tempo. Em um casamento grande, você pode passar até 1 ano organizando, enquanto num casamento menor você consegue trabalhar tudo em um mês. Esse detalhe é um grande diferencial porque facilita o nosso dia a dia corrido, além de que você pode trabalhar minuciosamente nos detalhes”.

“Consegui acompanhar tudo de perto, estar presente em cada mínimo detalhe e pensar em cada pessoa. Pude curtir cada convidado, e até a equipe. Não houve aquela formalidade do casamento grande, eu e meu marido ficamos bem à vontade. Foi tudo muito natural e sem roteiro, uma coisa intima e gostosa”, relata Fernanda sobre o aconchego único que o bistrô oferece.

Comentários Facebook