Moro instruiu força-tarefa a não apreender celulares de Cunha, revela vazamento

source
Eduardo Cunha arrow-options
Lula Marques/Agência PT – 3.3.16

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha

Na véspera da prisão do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (MDB), o ex-juiz Sergio Moro convenceu procuradores da força-tarefa da Lava Jato a não apreender os celulares do parlamentar. É o que revela mais um vazamento de diálogos obtidos pelo site The Intercept Brasil , publicados no Buzzfeed News nesta terça-feira (13). 

Leia também: CNMP analisa hoje representações de Toffoli e Renan Calheiros contra Deltan

Eduardo Cunha está preso desde o dia 19 de outubro de 2016, acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas. As conversas revelam que, um dia antes da prisão, o procurador Deltan Dallagnol entrou em contato com Moro para falar sobre a apreensão dos celulares do parlamentar. Confira: 

11:45:25 Deltan: Um assunto mais urgente é sobre a prisão

11:45:45 Deltan: Falaremos disso amanhã tarde

11:46:44 Deltan: Mas amanhã não é a prisão?

11:46:51 Deltan: Creio que PF está programando

11:46:59 Deltan: Queríamos falar sobre apreensão dos celulares

11:47:03 Moro : Parece que sim.

11:47:07 Deltan: Consideramos importante

11:47:13 Deltan: Teríamos que pedir hoje

Logo depois, Moro responde: “Não é uma boa”. Mesmo assim, Deltan insiste, dizendo que gostaria de “explicar razões”, e propõe uma reunião com o então juiz. Mais tarde, após o encontro, o procurador volta a mandar mensagens para Moro: “Cnversamos aqui e entendemos que não é caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações”.

A decisão contraria o padrão da Lava Jato, que costumava usar mensagens encontradas nos celulares de executivos e empreiteiros como provas nas investigações. Também não é a primeira vez que Moro interfere no caso de Eduardo Cunha. Em outro diálogo, divulgado pela revista Veja em julho, o então juiz se mostrava contrário a delação premiada do emedebista

Em nota, Moro e a força tarefa reafirmaram não reconhecer a autenticidade das mensagens e disseram que o material é “oriundo de crime cibernético e tem sido usado, editado ou fora de contexto, para embasar acusações e distorções que não correspondem à realidade”. Ambos também afirmam que os celulares de Cunha já haviam sido apreendidos. 

De acordo com o Buzzfeed , os aparelhos do emedebista realmente foram apreendidos, mas na Operação Catinália, em 15 de dezembro de 2015. No entanto, a prisão do parlamentar ocorreu apenas 10 meses depois, pela operação Lava Jato. Nesta ocasião, os celulares não foram recolhidos. 

Fonte: IG Política
Comentários Facebook