Operação Quebracho combate crime ambiental em Reserva Kadiwéu

Campo Grande/MS – A Polícia Federal, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) deflagraram na segunda-feira (9/9), uma operação conjunta denominada QUEBRACHO na terra indígena KADIWÉU, localizada na Serra da Bodoquena, nos municípios de Corumbá/MS e Porto Murtinho/MS.

A operação tem por objetivo coibir o desmatamento na região, o uso de fogo de forma ilegal e a exploração irregular de madeira em sete propriedades rurais objeto de retomadas pelos indígenas, as quais se encontram arrendadas para terceiros. Os agentes da PF, Ibama e Funai permanecerão na Aldeia Kadiwéu em execução da OPERAÇÃO QUEBRACHO até sexta-feira, 13/9.

A partir de informações recebidas pela Polícia Civil, versando sobre a existência de exploração ilegal de madeira em fazendas da região, foi iniciada uma investigação com o uso de ferramentas como o geoprocessamento, a qual confirmou a existência de pequenas clareiras e pontos de exploração ilegal de madeira na área indígena. O passo seguinte foi o deslocamento de policiais federais e integrantes do Ibama e da Funai para identificar a autoria e a materialidade dos crimes ambientais eventualmente cometidos, autuar responsáveis legais pelas propriedades e apreender madeiras e equipamentos ilícitos.

Até o presente momento, já foram identificados acampamentos com exploração ilegal de madeira e pequenos desmatamentos que resultaram na apreensão e 700 lascas de ipê, resultando em multa de mais de R$ 3 mil ao posseiro da propriedade. Restaram apreendidas motosserras, corrente de arrastão, motos e armas de fogo. Ainda foi identificada a presença de indivíduos que não pertenciam a etnias indígenas, os quais estavam realizando corte seletivo das árvores, alegando ter sido contratados pelos indígenas.

A operação foi batizada de QUEBRACHO em razão do nome popular de uma espécie de madeira muito explorada na região de Porto Murtinho/MS, a qual é muitas vezes comercializada como aroeira, devido à semelhança entre as espécies.

 

Contato: (67) 3368-1105

 

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook