Operação Relicta Mori investiga crimes de promoção de migração ilegal em toda região de Governador Valadares

Governador Valadares/MG – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 21/6, a Operação RELICTA MORI, para combater crimes de promoção de migração ilegal em toda região de Governador Valadares.

A PF representou por quatro mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva, todos expedidos pela Justiça Federal de Governador Valadares e cumpridos nesta cidade mineira.

Houve também a determinação de bloqueio de ativos financeiros, apreensão e arresto de diversos veículos, imóveis, valores em espécie, bem como de criptoativos destinados à ocultação de valores obtidos ilicitamente.

A PF realizou investigação originada da denúncia dos familiares de um emigrante falecido em 2021 na tentativa de atravessar ilegalmente do México para os EUA.

Restou comprovado que os investigados foram os responsáveis pela tentativa de travessia ilegal. Apurou-se, ainda, que 197 pessoas migraram ilegalmente para os Estados Unidos com o auxílio da organização criminosa.

Foram várias crianças (inclusive bebês) e adolescentes utilizados para o ingresso por meio do já conhecido método “cai-cai”. Neste sistema, as famílias com menores entregam-se às autoridades americanas após cruzarem as fronteiras, pois sabem que irão responder em liberdade pelo ingresso irregular devido ao fato de as crianças não poderem permanecer sozinhas por questões humanitárias.

Tal método traz ainda como agravante o aumento do número de casos de sequestro internacional de crianças. Elas são “alugadas” pelos coiotes para adultos desacompanhados que pretendam ingressar nos Estados Unidos utilizando o método citado. Isto implica em evidente risco para os menores.

Os suspeitos responderão pelo crime de tráfico de pessoas, previsto no art.232-A do CP, além do homicídio, previsto no art. 121 também do Código Penal. Se condenados, poderão cumprir até 26 anos de prisão.

Comunicação Social da Polícia Federal em Governador Valadares/MG

[email protected]| www.pf.gov.br (33) 3212-9100

Comentários Facebook