“PSL está de braços abertos para você”, diz Frota a Tabata Amaral

Tabata Amaral arrow-options
Divulgação

“PSL está de braços abertos para você”, diz Frota a Tabata Amaral

O vota da deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) a favor da reforma da Previdência ainda reverbera nos corredores do Congresso. A parlamentar e outros sete do partido, que é de oposição ao governo, correm risco de expulsão da sigla por conta do posicionamento.

Leia também: “Faltou experiência e maturidade”, diz presidente do PDT sobre Tabata Amaral

No entanto, se depender de Alexandre Frota (PSL-SP), a colega ficará pouco tempo sem partido. Em uma publicação em suas redes sociais, o parlamentar convidou para se juntar à sigla do presidente Jair Bolsonaro: ” Tabata Amaral o PSL está de braços abertos pra você. Partido não vai faltar. Força aí”, escreveu.





De acordo com o PDT, a sigla abrirá um processo interno na Comissão de Ética do partido contra os oito deputados que contrariaram a orientação partidária e votaram a favor do texto base da reforma da Previdência. A assessoria de imprensa do partido informou que, diante da divergência dos votos desses parlamentares em relação a um posicionamento aprovado por maioria do diretório nacional, “tem um rito estatutário que vai ser seguido”. A decisão final — que poderia ser de expulsão — caberá ao diretório nacional do partido.

Em entrevista ao jornal O Dia, o presidente nacional do PDT , Carlos Lupi disse que vê a decisão de Tabata como falta de experiência e imaturidade, mas que não deixará que o PDT pague por isso: “Fazer ela de Cristo ou de vítima, para colocar o partido como algoz… Eu estou velho para isso. Nessa eu não caio. Já estamos tão desmoralizados, se isso passar em branco, se não acontecer nada, aí é muito ruim”.

Ele afirmou ainda que existia, sim, o objetivo de colocar Tabata como possível candidata à Prefeitura de São Paulo nas próximas eleições, mas que o episódio pode fazer com que a ideia seja descartada. Entretanto, disse que vai avaliar bem o caso para evitar que uma expulsão possa prejudicar o partido. 

“Hoje, alguns desafiam para ser expulsos por causa do parecer no Supremo que diz que, quando o deputado sofre expulsão, o partido não pode pedir o mandato de volta. Tudo isso vamos pesar, porque ninguém aqui é bobo”, garantiu Lupi. 

Leia também: Depois de aprovar texto-base da reforma, Câmara vota hoje emendas e destaques

Por fim, ele ainda fez questão de ressaltar que tem origem “tão ou mais humilde” do que a Tabata Amaral e que o PDT não irá acabar se ela sair: “O partido, a instituição, é mais forte que as pessoas. Quando as pessoas acham que elas são mais fortes que as instituições, tem alguma coisa errada. As instituições são perenes, as pessoas são passageiras”.

Comentários Facebook