Royal Enfield confirma a chegada da trail Himalayan ao Brasil


Royal Enfield Himalayan: aventureira chega ao Brasil graças aos clientes, que  expunham bastante empatia pela moto
Divulgação

Royal Enfield Himalayan: aventureira chega ao Brasil graças aos clientes, que expunham bastante empatia pela moto

A Royal Enfield escolheu a Himalayan – motocicleta trail bastante pedida pelos clientes – para expandir a gama de modelos, que contam com um apelo vintage e entusiasta. O modelo, que faz bastante sucesso na Índia, já está no Brasil. Inclusive, de acordo com números da Fenabrave, cinco unidades da aventureira já foram licenciadas por aqui. Seus preços ainda não foram confirmados, mas as vendas se iniciarão no 2º semestre.

LEIA MAIS: Uma semana com a Royal Enfield Classic


Sua proposta é de encarar longas viagens, seja pelas estradas asfaltadas ou as off-road
Divulgação

Sua proposta é de encarar longas viagens, seja pelas estradas asfaltadas ou as off-road

A Royal Enfield
traz suspensão de longo curso, o que reforça a sua proposta off-road. Enquanto isso, o seu motor é um monocilíndrico de 411 cm³, capaz de gerar até 25 cv e 3,26 kgfm, e o câmbio é de seis marchas. Ela é a primeira da marca a usar um monoamortecedor. No caso, trata-se de um regulável em pré carga, que oferece um curso de 180mm, com a roda dianteira de 21 polegadas. Seu peso total chega aos 182 kg em ordem de marcha e a altura do assento é de 80 cm.

Relativo sucesso

No mês passado, a marca anglo-indiana emplacou 77 unidades no Brasil, seu melhor número no País, onde opera por meio de subsidiária há cerca de um ano. Abril também foi o mês no qual a Royal Enfield registrou recorde global de vendas, chegando a 76.187 unidades no mundo todo, um montante que representa 27 pontos percentuais a mais do que as 60.142 motocicletas registradas no mesmo período de 2017.

LEIA MAIS: Royal Enfield Continental GT: café instantâneo

Atualmente, a marca conta com apenas uma concessionária no Brasil, localizada em São Paulo (SP), mas já demonstrou interesse em abrir outras. A linha Royal Enfield é composta basicamente por motos estradeiras, com pequenas diferenças entre a Bullet 500, Classic 500 e a Continental GT. Todas customizadas por oficinas de personalização daqui.

Segundo declarações oficiais, a Bullet 500 é do tipo Scrambler, já que recebe um escapamento mais alto, com saída para cima, para enfrentar qualquer tipo de terreno. A Classic 500, a mais vendida no tanto no Brasil quanto na Índia, tem estilo Bobber, que mantém um design tradicional do pós-guerra, com a base do chassi mais alongada. Já a terceira, foi transformada em uma Café Racer retrô, pela Classic Riders Brasil.

LEIA MAIS: Como é pilotar uma Royal Enfield

Como a marca sempre foi mundialmente procurada por pessoas que gostam de modificações, ela decide aderir à ideia da customização e, com isso, aproximar-se do perfil de seus consumidores. O resultado é a possibilidade do cliente escolher as cores e os opcionais durante a montagem das motos.

“Nossas motocicletas estão entre as mais procuradas para customização em todo o mundo. Queremos mostrar que, com linhas simples e descomplicadas, a personalização pode ser feita de forma simples e responsável, tornando-se única, sem interferir no seu desempenho ou uso diário ou características originais”, explica Claudio Giusti, diretor geral da Royal Enfield no Brasil.

Comentários Facebook