Secitec apresenta projeto arquitetônico do Parque Tecnológico

Governador Pedro Taques confere o projeto arquitetônico do Parque Tecnológico – Foto por: Maria Anffe/Gcom-MT

Governador Pedro Taques confere o projeto arquitetônico do Parque Tecnológico

Um ambiente voltado à criação, desenvolvimento, disponibilização de soluções tecnológicas e atração de empresas inovadoras ao mercado. Este é o conceito do projeto arquitetônico do Parque Tecnológico de Mato Grosso, que foi apresentado nesta segunda-feira (24.04), ao governador Pedro Taques, no Palácio Paiaguás. O layout é baseado em construções por containers, uma tendência que otimiza os investimentos, com conforto e modernidade. A estrutura modulada permite a gestão de espaços de forma eficiente de acordo com necessidade.

O secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, Domingos Sávio Parreira, destacou a proposta do projeto. “O Parque foi planejado para que tenhamos um ambiente que favoreça a integração e a troca de ideias. Espaços para a iniciativa pública e privada em prol do desenvolvimento da ciência e tecnologia”, disse. O projeto básico completo será protocolado no dia 09 de maio pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), que executou a demanda.

Para o governador Pedro Taques, a obra, que terá um investimento de R$ 8 milhões, recursos do Fundo de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat), também fará a diferença na vocação do Estado, que é a agropecuária. “Além de todos os projetos de empreendedorismo urbano, poderemos agregar novas tecnologias no campo. Assim como as fundações do agro, o Parque Tecnológico de Cuiabá será referência na melhoria de produtividade também em produção”. Ele reforçou ainda a preocupação com o início das obras do Parque.

Segundo o secretário Domingos Sávio, o próximo passo é a publicação do edital. “Guardando-se os prazos do processo licitatório, que vão de 90 a 120 dias, e mantendo-se a conformidade dos trabalhos, até novembro de 2017 iniciamos as obras do Parque, que deve ser entregue em 2018”, afirmou.

Serão 80 hectares para o Parque, sendo 16 deles para áreas públicas e 64 hectares para a iniciativa privada. A área, localizada na região denominada “Chapéu do sol”, na cidade de Várzea Grande, prevê ainda a implantação de um centro de inovação, incubadoras, aceleradoras, centro de pesquisa, edifícios coorporativos, estacionamento, parques, restaurantes, e prestadoras de serviço.

A expectativa é de que o Parque movimente mais de 1,3 mil empregos diretos e indiretos nos três módulos de funcionamento: parque tecnológico (espaço para o desenvolvimento de inovação pelas empresas), parque de serviços (focado na promoção de serviços para empresas, indústrias e comunidades) e parque científico (espaço para formação e qualificação de pessoas, núcleos de universidade, laboratórios e centros de P&D). Também estão em processo de instalação a anexa da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) e do campus da Unemat.

Segundo o presidente da Fapemat, Antonio Carlos Máximo, os conceitos do Parque aliados aos resultados justificam o investimento no projeto. “Nossa essência é de fomentar a ciência, a tecnologia e a inovação. O parque vai trabalhar esses três pilares com o compartilhamento, inovação, e a sustentabilidade. Elementos que, juntos, trarão grandes resultados para o Estado”, destacou.

A coordenação do Parque Tecnológico de Mato Grosso é conduzida pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec), em conjunto com instituições parceiras públicas e privadas. Além da equipe da Secitec, estiveram presentes na apresentação representantes da equipe de projetos de arquitetura e engenharia da Unemat e Fundação Certi.

Comentários Facebook