Sul-africana vence Miss Universo 2019, mas Brasil avança em racismo

source

Enquanto a sul-africana Zizibini Tunzi quebra barreiras e conquista o posto de mais bela do mundo no Miss Universo 2019 , o Brasil se mostra um país cada vez mais racista na área do entretenimento com dois episódios envolvendo Silvio Santos e a filha de Samara Felippo neste fim de semana.

Zizibini Tunzi arrow-options
Reprodução/Instagram

Zizibini Tunzi


No último domingo (8),  Silvio Santos foi acusado de praticar racismo após constranger uma mulher negra em seu programa. Na ocasião, Jennyfer Oliver participava de um quadro musical e foi interrompida pelo dono da SBT , pois, segundo ele, a música era muito chata.

O apresentador pediu então para o público escolher quais dar participantes deveriam vencer o quadro, e mesmo com o público votando em Jennyfer, Silvio Santos preferiu dar a vitória para a candidata branca.

Os internautas não gostaram nada da atitude do apresentador e lotaram as redes sociais falando sobre a péssima postura do proprietário do SBT .

Silvio Santos e Jennyfer Oliver arrow-options
Reprodução/SBT

Silvio Santos e Jennyfer Oliver


Ainda neste domingo, a atriz  Samara Felippo usou as redes sociais para falar sobre o racismo que a filha enfrentou durante uma festa de formatura e como ela enxerga o mundo hoje sendo mãe de duas meninas negras.

“Ser mãe de duas meninas negras me abriu pra um mundo onde eu descobri que não sabia nada. Não sabia sequer enxergar a dor do outro. Onde eu enxerguei privilégios por ser uma mulher branca numa sociedade tão racista”, começou a atriz com seu texto no Instagram.

Samara Felippo detalhou como foi a situação que passou com a filha. “Estávamos na festa de formatura da Alícia, enquanto os pais conversavam no salão de festas as crianças brincavam no parquinho ao lado. Quando uma delas veio até a mãe: “Mae, tem dois adolescentes zoando e implicando com a gente”. Eu imediatamente levantei e fui a passos largos. As crianças relatavam: “Aqueles três, puxaram o cabelo do fulano, zoaram com a ciclana”. Meu sangue começou a entrar em ebulição, fui que nem um bicho pra cima dos moleques e falei tudo que tenho vontade pra racistas, mesmo os ainda nem sabem que são. Garotos brancos de 14 anos, classe média de merda, com a camisa verde e amarela, que descobri que um deles é filho de miliciano.”

Samara Felippo arrow-options
Reprodução Instagram

Samara Felippo


A essa altura vale lembrar o discurso que a mais nova Miss Universo fez na última noite falando sobre racismo e a importância da diversidade em um concurso desta dimensão. “Eu cresci em um mundo em que uma mulher com a minha pele, a minha aparência e o meu cabelo não era considerada bonita. Isso acaba hoje. Quero que as crianças enxerguem o reflexo dos seus rostos no meu.”

Fonte: IG GENTE
Comentários Facebook