“UNE está vibrando com o fim da carteira estudantil digital”, diz Bolsonaro

source
Presidente arrow-options
Reprodução

Bolsonaro participou de transmissão ao vivo em suas redes sociais com uma camisa do Goiás

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (13) que a União Nacional dos Estudantes (UNE) está “vibrando” com a perda de validade da medida provisória (MP) que criou a carteira estudantil digital, o que ocorrerá no próximo domingo, já que o texto não foi analisado pelo Congresso no prazo necessário. Bolsonaro disse que a intenção da MP não foi “perseguir” a UNE, mas sim “facilitar a vida do estudante”.

Leia também: Bolsonaro aumenta vantagem e segue como principal nome para eleição de 2022

“Pelo que tudo indica, a nossa medida provisória que permite que você, estudante, tirasse sua carteirinha de estudante pela internet vai caducar. Então, você vai pagar em média 35 reais para ter sua carteirinha. Então, a UNE está vibrando, está vibrando. Nossa intenção não é perseguir a UNE, muito pelo contrário, é facilitar a vida do estudante e evitar que ele gaste 35 reais. Nós queremos facilitar a vida do estudante”, disse Bolsonaro , durante transmissão ao vivo em sua conta no Facebook.

Bolsonaro afirmou não saber qual a “força” que a UNE e o PCdoB — partido cuja militância historicamente comanda a organização — têm no Congresso, e disse que R$ 35, que é o custo para emitir da carteira da UNE, fazem uma “falta enorme” para os estudantes.

“Lamentavelmente, o PCdoB e a UNE…Eu não sei que força eles têm no Parlamento , mas conseguiram fazer com que a medida provisória não fosse votada e deve caducar nos próximos dias. Então, você, estudante, vai ter que gastar 35 reais. E faz falta para quem é estudante. Eu já fui também, né. Faz falta. Uma falta enorme 35 reais, às vezes dá para pagar o lanche de dois dias, até três dias, com esse dinheiro aí”, completou o presidente .

Leia também: Quem é Mayor Pete, o religioso, gay e ex-militar que quer ser presidente dos EUA

Uma MP tem validade imediata, mas precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado em um prazo de 120 dias. Entretanto, no caso da carteira digital, não foi instalada nem mesmo a comissão especial que analisaria a medida, que é o primeiro passo da tramitação.

Comentários Facebook