Unidade Siminina recebe aula sobre prevenção da violência infantil

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

A prevenção de violência contra criança e o adolescente foi o tema abordado pela professora Vânia Araújo, em palestra realizada nesta terça-feira (21), na unidade do Siminina, sediada no Centro de Referência em Assistência Social (Cras), do bairro Getúlio Vargas. Aproximadamente 30 meninas, entre sete e 14 anos, foram o público alvo do trabalho de prevenção social, formatado em vídeos, slides e com uma linguagem fácil e simples, totalmente adequada para a faixa etária do programa.

Além de ser professora, a palestrante Vânia Araújo também preside o Conselho da Criança, é corregedora dos conselheiros tutelares e faz parte da Rede de Proteção onde os trabalhos específicos são voltados a crianças em vulnerabilidade social, de modo a promover uma mudança na social significativa. De acordo com a profissional, essas abordagens acerca da violência sexual, psicológica e física são, na maioria das vezes, descobertas por meio deste trabalho que é realizado em projetos e escolas.

“Este trabalho que fazemos é de formiguinha, infelizmente ainda não conseguimos atingir toda a rede de educação, mas só o pouco que atendemos já percebemos a grande mudança que acontece na vida das crianças”, pontuou.

Um dos principais temas de violência abordados durante a palestra foi de casos ligados à internet, dado o fato de que a criança e o adolescente, muitas vezes, não fazem a ideia de quem esta por trás das redes sociais.

“É importante mostrar para a criança o que é certo ou errado e dizer que se algum fato estranho estiver acontecendo, elas devem pedir socorro, conversar com algum monitor ou contar o que esta acontecendo para alguém que elas confiem. E isto infelizmente acontece quase sempre depois de uma palestra, a criança procura a professora e conta o que esta se passando na vida dela”, revelou.

A metodologia desse trabalho preventivo é realizada, em primeiro momento, com orientação desenvolvida junto às coordenadoras e monitoras do programa Siminina e, posteriormente, é levado para as salas de aula.

As principais funções é detectar se alguma criança precisa de ajuda – dando o encaminhamento correto – e orientar os responsáveis a ficarem atentos as atitudes, de modo a criar vinculo afetivo de amizade para facilitar a identificação.

“Tudo que é diferente do normal deve ser encaminhado diretamente para o Conselho Tutelar, junto com uma notificação de violência preenchida pelo professor, monitor ou coordenador. Sempre explico que temos que trabalhar com a prevenção e alertar estas crianças para todos os tipos de violências que podem acontecer com elas” finalizou.

A coordenadora do Siminina, da sede Getúlio Vargas, Carla Costa Braga, afirma que estas palestras são fundamentais no desenvolvimento do programa na região, qual, atualmente, atende 59 meninas em vulnerabilidade social.

“Temos que ter cuidado principalmente quando se trabalha com crianças que vivem em certo nível de pobreza, que são vulneráveis, com famílias mais simples e muitas vezes com laços não tão estruturados, por isso se deve ter uma atenção dobrada não só com as crianças mais também todo o ambiente familiar” observou.

Neste mês, já foram ministradas palestras de prevenção de violência contra criança e o adolescente nas unidades, do Pedra 90, Fortaleza, Tijucal, Getúlio Vargas e a intenção que a Unidade da Chácara dos Pinheros seja atendida ainda neste mês de Agosto.

 

Comentários Facebook